terça-feira, outubro 07, 2008

UMA VEZ QUE FOSSE

XLX


Se bem que sim, se bem que tu soubesses

atravessar o ar que eu atravesso

e que ao que dizer que sim, também dissesses

as coisas que em ti eu amo e não mereço

e virando essas coisas do avesso com os bofes

para fora enlouquecesses

de tanto me oferecer o que te peço

e de tanto lembrar não te esquecesses

de me recomendar nas tuas preces

no coração partido pondo gesso

mas com fúria e com raiva me batesses

eu mediria o tempo que não meço

para que nunca mais te arrependesses

de acordar nesta cama onde adormeço.


Joaquim Pessoa (Livro "O Pouco é para ontem")


O meu comentário???


Essa cama onde continuo a adormeçar sozinha...


Porque tu esqueces....


Do coração dos outros...


Pensas apenas no teu...


Só que......


Não vale, às vezes a pena gritar....


Continuas a não ouvir....


Continuas a não sentir....


Respondo às minhas próprias perguntas....


Gostaria tanto que fosses tu a responder....


Uma vez que fosse.....

5 comentários:

o que me vier à real gana disse...

Tenacidade racional... é bom que exista!
Continua muito bom, aqui.

Sol da meia noite disse...

Sim... uma vez que fosse...

Talvez valha a pena gritar...
Talvez um dia seja...

Beijinho *
:-)

Paulo Sempre disse...

"(...)para que nunca mais te arrependesses

de acordar nesta cama onde adormeço.(...)"

Isto é o pranto de um homem...apaixonado.., né?

Xau

Só Eu disse...

Olá Marta.
É um belissimo poema do Joaquim Pessoa.
O teu comentário está ao nivel de sempre: Óptimo.
Beijinhos

BC disse...

Olá Marta, desculpa a ausência, mas pouco tenho comentado, outros afazeres, e por vezes torna-se complicado.
Beijinhos