quinta-feira, março 03, 2005

VAGABUNDA

Em vão – Florbela Espanca

Passo triste na vida e triste sou,
Um pobre a quem jamais quiseram bem!
Um caminhante exausto que passou,
Que não diz onde vai nem donde vem!
Às vezes, penso que não devia ler os versos dela, pois os sentimentos que me desperta são de tal forma fortes que choro dias a fio! Identifico-me plenamente com o que diz, pois neste momento, sinto-me uma vagabunda sem eira nem beira!
Não estou bem em lugar algum - mas o mais curioso de tudo, é que não me sinto só!

segunda-feira, fevereiro 28, 2005

INIMIGO OU NÃO

Dizem que o tempo é o nosso pior inimigo.
Não sei; às vezes, é um bom conselheiro, mas eis o que Sophia de Mello Breyner Andersen tem a dizer sobre ele:
TEMPO - LIVRO SEXTO
Tempo
Tempo sem amor e sem demora
Que de mim me despe pelos caminhos fora

A BELEZA DA MANHÃ

Manhã
Como um fruto que mostra
Aberto pelo meio
A frescura do centro
Assim é a manhã
Dentro da qual eu entro
Sophia de Mello Breyner Andersen - Livro Sexto

Também eu gosto da manhã, daqueles minutos em que se abre as cortinadas, a janela e se deixa o ar entrar para reciclar os cheiros da noite.
Pertence-me; a mais ninguém!
Depois, Deus decide o resto!