quarta-feira, agosto 31, 2005

APESAR DE


Apesar das ruinas e da morte,
onde sempre acabou cada ilusão,
a força dos meus sonhos é tão forte,
que de tudo renasce a exaltação.
E nunca as minhas mãos ficam vazias.

Sophia de Mello Breyner Anderson - Poesia

É, Sophia, as nossas mãos nunca ficam vazias quando sonhamos, nem que seja por um minuto!
Obrigada por me ajudares a compreender que posso transformar a minha vida, sonhando, como agora faço, com as palavras que tu escreveste e que nunca serão esquecidas.

terça-feira, agosto 30, 2005

MAGOAR


IMPROVISO NA MADRUGADA
Húmido de beijos e de lágrimas,
ardor da terra, com sabor a mar,
o teu corpo perdia-se no meu.
(Vontade de ser barco ou de cantar)
Eugénio de Andrade

O meu corpo não se perde no teu, porque tu não queres;
não me queres magoar!
Mas não sei o que me magoa mais - o facto de não me queres magoar ou de me estares mesmo a magoar com o teu silêncio e com a tua distância!

segunda-feira, agosto 29, 2005

SIMPLES


DESPERTAR

É um passáro, é uma rosa
É o mar que me acorda?
Passáro ou rosa ou mar
tudo é ardor,
tudo é amor.
Acordar é ser rosa na rosa,
Canto na ave,
água no mar

Eugénio de Andrade

Será apenas uma visão simples do amor?
Porque é que o amor é, por vezes, igual a desilusão?
Ou porque é que nos criticam quando queremos que seja assim?
Simples, como a rosa, como o passáro ou o mar!!!