quinta-feira, fevereiro 09, 2012

DOCES

Não quero palavras doces.

Nem promessas perfumadas.

Quero que me digam a verdade,

mas não com crueldade.

Há milhões de palavras.

Escolham uma que não me destrua.

Poderia agora ser banal.

Chorar e ter pena de mim.

Mas não o vou fazer.

Porque há milhões de palavras.

E uma falar-me-á de esperança.

Poema de minha autoria
Direitos de autor reservados

domingo, fevereiro 05, 2012

ROMANCE

Esta noite,
não vou escrever sobre a noite.
Não será uma heroína romântica,
uma amante sensual.
Estará desiludida,
desencantada com o rumo da vida.
Não procurará culpados,
nem se sentirá atraiçoada…
Sentir-se-á apenas só….
Desesperadamente só.




Poema de minha autoria,
Direitos de autor reservados