sábado, maio 08, 2010

CAMINHO

Hoje de manhã sai muito cedo
Por ter acordado ainda mais cedo.
E não ter nada que quisesse fazer...
Não sabia que caminho tomar
Mas o vento soprava forte, varria para um lado,
E segui o caminho para onde o vento me soprava nas costas.
Assim tem sido sempre a minha vida, e
assim quero que possa ser sempre -
Vou onde o vento me leva e não me
Sinto pensar
De Alberto Caeiro
O meu comentário???
Quando não sei que caminho tomar...
Quando não quero pensar
ou mesmo falar...
Falo
com o Mar....
Deixo-o falar;
deixo que me
conte histórias...
Ainda gosto
de histórias de piratas,
com sereias à mistura,
já escrevi sobre elas...
Como sobre o Vento,
até o descrevi
como um amante...
Mas é no Mar que caminho,
é com o Mar que danço...
Se me devolve o pensamento???
Nunca deixei de pensar....
Apenas o adiei.............

sexta-feira, maio 07, 2010

INVENTAR

O amor é uma companhia
Já não sei andar só pelos caminhos.
Porque já não posso andar só.
Um pensamento visivel faz-me andar mais depressa
E ver menos, e ao mesmo tempo gostar bem de ir vendo tudo.
Mesmo a ausência dela é uma coisa que está comigo.
E eu gosto tanto dela que não sei como a desejar....
Se a não vejo, imagino-a e sou forte como as árvores altas.
Mas se a vejo tremo, não sei o que é feito do que sinto na ausência dela.
Todo eu sou qualquer força que me abandona.
Toda a realidade olha para mim como um girassol com a cara dela no meio.
De Alberto Caeiro
O meu comentário???
Sintomas de paixão...
Sentimentos contraditórios
e o maldito rubor...
Gigantes,
bobos da corte....
Euforia,
desespero e dúvida....
Faz parte....
será correcto chamar-lhe
o processo de amar???
Não sei....
também já me senti assim...
Um dia....
Mesmo hoje,
no meio das rugas
e dos cabelos brancos...
Continua a haver
um brilho especial nos olhos....
Porque ainda nos olhamos nos olhos...
Fazemos ainda perguntas,
procuramos respostas,
inventamos a
paixão,
novamente.