sexta-feira, maio 06, 2011

ENFEITIÇADOS

UM POEMA


Não tenhas medo, ouve:

É um poema

Um misto de oração e de feitiço...

Sem qualquer compromisso,

Ouve-o atentamente,

De coração lavado.

Poderás decorá-lo

E rezá-lo

Ao deitar

Ao levantar,

Ou nas restantes horas de tristeza.

Na segura certeza

De que mal não te faz.

E pode acontecer que te dê paz...

Miguel Torga, Diário XIII

O meu comentário????
E sintas que vale a pena sonhar...
Ser aventureiro,
procurar o exótico se o desejares....
Encontrares no poema
a sensualidade do Mundo....
Porque o Mundo é sensual...
Vive, apenas escondido de si próprio...
Porque não tem tempo para acreditar.....
Como é bom sentirmo-nos enfeitiçados....

quarta-feira, maio 04, 2011

INCOMPREENDIDA

Explicação da Ausência

Desde que nos deixaste o tempo nunca mais se transformou

Não rodou mais para a festa não irrompeu

Em labareda ou nuvem no coração de ninguém.

A mudança fez-se vazio repetido

E o a vir a mesma afirmação da falta.

Depois o tempo nunca mais se abeirou da promessa

Nem se cumpriu

E a espera é não acontecer — fosse abertura —

E a saudade é tudo ser igual.



Daniel Faria, in "Explicação das Árvores e de Outros Animais"

O meu comentário???
E o significado do tempo perde-se...
Na ausência incompreendida....
Porque nem sempre há razões....
ou palavras que expliquem essa dor..
Ausência, saudade....
Não sei que mais....
Apenas o corpo se arrasta
e a alma perdeu-se no horizonte....
 
 

segunda-feira, maio 02, 2011

ESPAÇO

eu gostava de poder dizer
que entrei no teu corpo com um passáro
espreitando de invisíveis ruínas
e que o som da tua voz bastava
para me salvar

mas de nada serve inventar palavras
quando as palavras que inventamos
não passam de frágeis lugares de exílio
de gestos inventados fora de horas
delimitando o espaço de tantas mortes prematuras
de que jurámos ressuscitar um dia

- quando os deuses se lembrassem
de acordar ao nosso lado

De Alice Vieira

O meu comentário???
Raramente os deuses acordam...
Raramente esquecemos certas palavras
que nos exilam da realidade...
Matam-nos aos poucos...
Nada nos salva....
Nem as memórias
de amor...
Porque alguém deixou de amar
ou nunca se soube como amar....
Há muita coisa que eu gostava de dizer....
Não tenho a certeza,
porém,
se não comprometerá o espaço
e esse exílio
não será completo....