quinta-feira, outubro 16, 2014

PUDESSE



Pudesse eu gritar...
Tudo o que me vai na alma...
Esquecer-me no voo das gaivotas
e desbravar a fantasia do tempo...
Pudesse eu ser...
Tudo isso que sonho...
Num instante,
nesse momento,
em que compreendo finalmente
a verdade no silêncio...

FOTO DE JOSÉ ALEX GANDUM

segunda-feira, outubro 13, 2014

A MENSAGEM NO ESPELHO



O óbvio seria desejar não ter rugas nem o cabelo branco. 
Mas a verdade é que estou a gostar de ter o cabelo branco e arrependo-me de ter seguido as modas e o ter pintado numa cor que não tinha alma.
Vejo, agora como era artificial e como me envelhecia.
São as loucuras da “juventude”, dirão… e para quê falar num passado, se o presente é diferente?
Gosto da minha imagem no espelho quando acordo.
Apesar do cabelo estar despenteado, a pele estar mais pálida e não estar tão ágil…
Porque cheguei até aqui, sem arrependimentos e em paz comigo mesmo….
A única coisa que mudaria seria o olhar.
É um olhar triste, incompleto e se me perguntarem porquê, a resposta será sempre “não sei”...
É a tal pergunta para a qual não encontrei ainda resposta.
Ainda a procuro e é essa a mensagem que continua escrita no espelho... 
Se até à minha morte, não sei... 
                          “Porque é que estás tão triste?”



Da Página "Discover Art"

Texto escrito em resposta a um desafio/passatempo da editora "Lua de Marfim".