sexta-feira, junho 13, 2008

LIMITES

Não só quem nos odeia ou nos inveja



Nos limita e oprime; quem nos ama



Não menos nos limita.



Que os deuses me concedam que, despido



De afetos, tenha a fria liberdade



Dos píncaros sem nada.



Quem quer pouco, tem tudo; quem quer nada



É livre; quem não tem, e não deseja,



Homem, é igual aos deuses.





Não só quem nos odeia ou nos inveja - de Ricardo Reis

O meu comentário???



Deuses??? Não o somos...

Amar verdadeiramente.....uma prisão???

Não....

Se tal acontecer, não é amor...

É confundir amor com obsessão....

Um outro tipo de inveja e de ódio....

Porque as palavras adquirem valores,

......conotações diferentes....

E limita-nos realmente............

quinta-feira, junho 12, 2008

HORAS DO DIABO

Nunca a alheia vontade, inda que grata,

Cumpras por própria.

Manda no que fazes,

Nem de ti mesmo servo.

Ninguém te dá quem és.

Nada te mude.

Teu íntimo destino involuntário

Cumpre alto.

Sê teu filho.


Nunca de Ricardo Reis



O meu comentário???



As pessoas têm sentimentos, vontades próprias...



Olhar para dentro antes de olhar para fora...



Revelar-se a si próprio...



Saber o que quer e porque o quer....



Respeitar-se, respeitar os outros e saber, então como agir...



Ouvir...saber ouvir a voz dos outros, mas também a sua...



Porque há as chamadas "horas do Diabo"...



Nem sempre se está preparado....

terça-feira, junho 10, 2008

RECUOS

Destino

Acordo como os pássaros cativos,

Com a ária da vida nos ouvidos.

Acordo sem amarras nos sentidos,

Fiéis à sempiterna liberdade...

Nada pôde vencer a lealdade

Que juraram à deusa aventureira.

Nem as grades do sono, nem a severidade

Da noite carcereira.

Acordo e recomeço

O canto interrompido:

O desvairado canto

Da ira irrequieta... -

O canto que o poeta

Se obrigou a cantar

Antes de Ter nascido,

Antes de a sua angústia começar.

Miguel Torga


O meu comentário???

Recomeçar...sempre...

Ouvir o que os sentidos nos dizem...

Calar o que angústia aconselha...

Deixar que a calma reine...

Fale nos versos que se escrevem...

Na mente, no coração, na página em branco...

Traçar no destino aquilo que se sente....

A vida é feita de avanços e recuos...

O segredo será...talvez...

Saber quando se avança....e quando se deve recuar.........

segunda-feira, junho 09, 2008

O FIM

REQUIEM POR MIM - MIGUEL TORGA

Aproxima-se o fim.


E tenho pena de acabar assim,


Em vez de natureza consumada,


Ruína humana.


Inválido do corpo


E tolhido da alma.


Morto em todos os órgãos e sentidos.


Longo foi o caminho e desmedidos


Os sonhos que nele tive.


Mas ninguém vive


Contra as leis do destino.


E o destino não quis


Que eu me cumprisse como porfiei,


E caísse de pé, num desafio.


Rio feliz a ir de encontro ao mar


Desaguar,


E, em largo oceano,


eternizar


O seu esplendor torrencial de rio.




O meu comentário???



Comparar a vida a um rio...



Pedras, lodo, cheias....mas também a paz, a tranquilidade...



A viagem por entre as nossas margens....



Os sonhos ali escondidos....



As palavras escritas e ditas.....



Reinventadas....



Nesse rio que continua a correr....



A sensação de que não se fez tudo....



É universal....



Pena será que ninguém o leio como eu faço agora....