terça-feira, junho 10, 2008

RECUOS

Destino

Acordo como os pássaros cativos,

Com a ária da vida nos ouvidos.

Acordo sem amarras nos sentidos,

Fiéis à sempiterna liberdade...

Nada pôde vencer a lealdade

Que juraram à deusa aventureira.

Nem as grades do sono, nem a severidade

Da noite carcereira.

Acordo e recomeço

O canto interrompido:

O desvairado canto

Da ira irrequieta... -

O canto que o poeta

Se obrigou a cantar

Antes de Ter nascido,

Antes de a sua angústia começar.

Miguel Torga


O meu comentário???

Recomeçar...sempre...

Ouvir o que os sentidos nos dizem...

Calar o que angústia aconselha...

Deixar que a calma reine...

Fale nos versos que se escrevem...

Na mente, no coração, na página em branco...

Traçar no destino aquilo que se sente....

A vida é feita de avanços e recuos...

O segredo será...talvez...

Saber quando se avança....e quando se deve recuar.........

3 comentários:

Sol da meia noite disse...

Os sentidos não mentem... nós é que nem sempre aceitamos a verdade das sensações... oscilamos, hesitamos, deixamos passar os momentos de dar resposta ao que sentimos.

Bom feriado!

Bj *

Um Momento disse...

E sim...
Recomeçar... sempre
Desistir... Jamais

Um beijo!

(*)

RENARD disse...

Este poema arrepiou-me dos pés à cabeça.
Sabem qual é o pior momento do meu dia? É quando acordo. Horrorosas as dores no corpo e ter de desentorpecer os músculos com alongamentos.
Dói que se farta. Além disso, há também o cansaço que parece pior do que aquele que levei comigo para a cama na noite anterior.
E saber que, amanhã, será assim outra vez...
Às vezes parece que damos um passo para em frente para depois sermos obrigadas a dar dois para trás...
Tento crescer e amadurecer para não falhar tanto quando escolho avançar ou recuar...
Faz tudo parte da vida suponho...

Beijos e saudações tribais