sexta-feira, maio 01, 2009

VERDADE DOS SENTIDOS

A Vida sem poesia


A vida sem poesia,

É com um rio limitado pela violência das margens

No arrastar dos escombros.

É como terra estéril,

Com cercas de arame farpado limitando latifúndio

Onde há um espantalho medonho,

Que afugenta da imaginação os passários dos sonhos


De António Miranda Fernandes (II Antologia de poetas lusofónos)


O meu comentário???


Sem ritmo

Sem melodia

Sem risos

Chora-se apenas....


Com a poesia fala-se à alma....

Escreve-se nas cores

Enfeita-se a Lua e o Sol

Com brilho

Que enriquece a imaginação....


Os desejos

A poesia é a verdade dos sentidos...

A conquista dos desejos

A nossa Voz......

segunda-feira, abril 27, 2009

PERGUNTAS INCONVENIENTES

Solidão



A solidão é como uma chuva.



Ergue-se do mar ao encontro das noites;



de planícies distantes e remotas



sobe ao céu, que sempre a guarda.



E do céu tomba sobre a cidade.



Cai como chuva nas horas ambíguas,



quando todas as vielas se voltam para a manhã



e quando os corpos, que nada encontraram,



desiludidos e tristes se separam;



e quando aqueles que se odeiam



têm de dormir juntos na mesma cama:



então, a solidão vai com os rios...






Rainer Maria Rilke, in "O Livro das Imagens"


O meu comentário????


Solidão....desilusão???

Mais profundo que isso???

Perguntas inconvenientes....

Respostas pobres.........

Nem a chuva dissipa dúvidas....

Põe a nu as fragilidades...

A verdade que não se olha de frente....

Lutar contra a solidão??

Preencher as lacunas quando não é uma opção...

Mas deixamos que fosse imposta.........