sábado, julho 31, 2010

MÃOS

Dá-me as Tuas Mãos
As mãos foram feitas
para trazer o futuro,
encurtar a tristeza, encher
o que fica das mãos
de ontem - intervalos
(duros, fiéis) das palavras,
vocação urgente
da ternura, pensamento
entreaberto até
aos dedos longos
pelas coisas fora
pelos anos dentro.
Vitor Matos e Sá, in "Companhia Violenta"
O meu comentário???
Sempre tive vergonha das minhas mãos...
Tão pequeninas...
Mas agora que se enroscam nas tuas,
resguardo-as....
Com a tua ternura....
Com a pele das tuas...
Já não as escondo....
Escrevo-te poemas encantados...
Só de paixão....
Encho a noite com murmúrios...
Abro os dedos
e apaixono-me novamente...
Por ti...

terça-feira, julho 27, 2010

SEDE

Cereja
cálice vermelho de prazer
sensualidade em veludo
sede de tocar.
Lábios de desejo
que debatem provocações,
causam sufoco de emoções
e beijos de sedução.
Vou trincar a haste tenra e fina
que desprende a cereja para a vida,
"Cereja" de Alexandre Reis
(II Antologia de Poetas Lusófonos)
O meu comentário???
Nem sei...
O que os meus lábios provocam em ti...
Posso falar do prazer em beijar-te,
sentir o teu corpo a abraçar o meu,,,,
Das vontades que despertam
e que nem sempre confesso....
A ti, ao meu próprio corpo
como se tivesse ainda dúvidas....
Não de que te amo...
Mas que as sinto,
que as entrego em ti,
de como o meu corpo
tem sede de ti.....