quinta-feira, agosto 07, 2008

COM A VIDA

Rosa branca ao peito



Teu corpinho adolescente cheira a princípio do mundo.
Ainda está por soprar a brisa que há-de agitar a tua seara.
Ainda está por romper a seara que há-de rasgar o teu solo fecundo.
Ainda está por arrotear o solo que há-de sorver a água clara.
Ainda está por ascender a nuvem que há-de chover a tua chuva.
Ainda está por arder o sol que há-de evaporar a água da tua nuvem.

Mas tudo te espera desde o princípio do mundo:
a doce brisa, a verde seara, o solo fecundo.
Tudo te espera desde o princípio de tudo:
a água clara, a fofa nuvem, o sol agudo.

Tu sabes, tu sabes tudo.
Tu és como a doce brisa, a verde seara e o solo fecundo
que sabem tudo desde o princípio do mundo.
Tu és como a água clara, a fofa nuvem e o sol agudo
que desde o princípio do mundo sabem tudo.
O teu cabelo sabe que há-de crescer
e que há-de ser louro.
As tuas lágrimas sabem que hão-de correr
nas horas de choro
Os teus peitos sabem que hão-de estremecer
no dia do riso.
O teu rosto sabe que há-de enrubescer
quando for preciso.

Quando te sentires perdida
fecha os olhos e sorri.
Não tenhas medo da Vida
que a Vida vive por si.
Tu és como a doce brisa, a verde seara e o solo fecundo
que sabem tudo desde o princípio do mundo.
tu és como a água clara, a fofa nuvem e o sol agudo.
A tua inocência sabe tudo.




António Gedeão




O meu comentário???




Viver...com letra grande...




Sem medo...




Algumas lágrimas, mas sobretudo com risos....




Transparente...colorido....




Alma....paixão...garra.....




Uma tela em branco..........




Para preencher com esperança....




Com determinação.....




Ás vezes....hesitar, vacilar...




Foge-nos com o Tempo....




Com a Vida.....


quarta-feira, agosto 06, 2008

ABERTURA COMPLETA

Poema do Homem Só




Sós,
irremediavelmente sós,
como um astro perdido que arrefece.
Todos passam por nós
e ninguém nos conhece.

Os que passam e os que ficam.
Todos se desconhecem.
Os astros nada explicam:
Arrefecem

Nesta envolvente solidão compacta,
quer se grite ou não se grite,
nenhum dar-se de outro se refracta,
nehum ser nós se transmite.

Quem sente o meu sentimento
sou eu só, e mais ninguém.
Quem sofre o meu sofrimento
sou eu só, e mais ninguém.
Quem estremece este meu estremecimento
sou eu só, e mais ninguém.

Dão-se os lábios, dão-se os braços
dão-se os olhos, dão-se os dedos,
bocetas de mil segredos
dão-se em pasmados compassos;
dão-se as noites, e dão-se os dias,
dão-se aflitivas esmolas,
abrem-se e dão-se as corolas
breves das carnes macias;
dão-se os nervos, dá-se a vida,
dá-se o sangue gota a gota,
como uma braçada rota
dá-se tudo e nada fica.

Mas este íntimo secreto
que no silêncio concreto,
este oferecer-se de dentro
num esgotamento completo,
este ser-se sem disfarçe,
virgem de mal e de bem,
este dar-se, este entregar-se,
descobrir-se, e desflorar-se,
é nosso de mais ninguém.

António Gedeão


O meu comentário???



Permanece intacto....


Esse sentimento de que falta qualquer coisa....


Nada nos completa....


A sensibilidade extrema....


....um calcanhar de Aquiles....


............mas a abertura completa da alma....


Uma solidão inexplicável....mas real....


Todos os sentimentos expostos num olhar....


Num poema....num abraço....


Inteiramente nosso.....

segunda-feira, agosto 04, 2008

TEMPO PREENCHIDO

Tempo de Poesia


Todo o tempo é de poesia

Desde a névoa da manhã
à névoa do outo dia.

Desde a quentura do ventre
à frigidez da agonia

Todo o tempo é de poesia

Entre bombas que deflagram.
Corolas que se desdobram.
Corpos que em sangue soçobram.
Vidas que a amar se consagram.

Sob a cúpula sombria
das mãos que pedem vingança.
Sob o arco da aliança
da celeste alegoria.

Todo o tempo é de poesia.

Desde a arrumação ao caos
à confusão da harmonia.






António Gedeão






O meu comentário???


Amargura, dor, ciúme e traição....


...........abertamente em palavras gritadas...


Ou revolta...camouflada em frases simples....


Um poema de amor...com frases de dor...


Um poema de revolta...com esperança descrita.......


Um poema simples sobre o mar...


A guerra das estrelas....o poder dos Deuses............


Tempo rico, preenchido....


Abre o silêncio...


Guarda o riso..................