segunda-feira, dezembro 29, 2008

SIMPLES E TEIMOSA

A Lágrima é uma gotinha


A lágrima é uma gotinha,

Que mostra a tristeza

E o belo da beleza.

Que mostra o sofrimento,

Da dor que doe, que tritura,

De alguém que acabara de morrer

Com um grande lamento.

Que mostra a alegria,

No seu sorriso bonito

Ao ter amor para amar....

Numa linda amizade,

Para toda a vida gostar,

E a quem vem alegrar...


A lágrima é uma gotinha,

Que transforma o momento

Num grande sentimento...

De alguém que parte,

Alguém que chega,

Ou alguém que muito ama...

De alguém que sofre por amor

Num triste desamor!

A lágrima é o sentimento,

De um coração,

Num grande momento....

Que mostra a toda a gente,

A sua sensibilidade,

Sem o querer,

Na tristeza e na felicidade.

Será sempre um presente,

Poderá ser uma fronteira,

Daquilo que o seu coração sente,

Como uma bandeira.

A lágrima é uma gotinha,

Que junta a muitas outras...

É como uma torrente,

De sentimentos a cruzar,

Na dor, na alegria,

No pesar, na magia

E no poder amar..

Abril 2007 - poema de ZezinhoMota do blog "A poesia do Zezinho"


O meu comentário???


Lágrima....

Teimosa....

É uma palavra que fica calada...

Mas não cala a emoção....

O desgosto, a traição ou a vitória....

Lágrima...

Alívio....

Nunca sinal de cobardia....

Completa o sentimento....

O banal e o exclusivo....

Porque se dá tudo e tudo se recebe....

Numa simples e teimosa lágrima.....

domingo, dezembro 28, 2008

RESPIRAR PROFUNDAMENTE

Meu País de Marinheiros

de António Nobre


Georges! anda ver meu país de Marinheiros,

O meu país das naus, de esquadras e de frotas!


Oh as lanchas dos poveiros

A saírem a barra, entre ondas de gaivotas!

Que estranho é!

Fincam o remo na água, até que o remo torça,


À espera de maré,

Que não tarda aí, avista-se lá fora!

E quando a onda vem, fincando-a com toda a forca,

Clamam todas à urra: «Agora! agora! agora!»


E, a pouco e pouco, as lanchas vão saindo

(Às vezes, sabe Deus, para não mais entrar...)

Que vista admirável!

Que lindo! Que lindo!

Içam a vela, quando já têm mar:

Dá-lhes o Vento e todas, à porfia,


Lá vão soberbas, sob um céu sem manchas,

Rosário de velas, que o vento desfia,

A rezar, a rezar a Ladainha das Lanchas:


Senhora Nagonia! Olha acolá!

Que linda vai com seu erro de ortografia...

Quem me dera ir lá!


Senhora Daguarda!

(Ao leme vai o Mestre Zé da Leonor)

Parece uma gaivota: aponta-lhe a espingarda

O caçador!


Senhora d'ajuda!

Ora pro nobis!


Caluda! Semos probes!

Senhor dos ramos

Istrela do mar!

Cá bamos!


Parecem Nossa Senhora, a andar.


Senhora da Luz!

Parece o Farol...

Maim de Jesus!

É tal e qual ela, se lhe dá o sol!


Senhor dos Passos!

Sinhora da Ora!


Águias a voar, pelo mar dentro dos espaços

Parecem ermidas caiadas por fora...


Senhor dos Navegantes!

Senhor de Matosinhos!


Os mestres ainda são os mesmos dantes -


Lá vai o Bernardo da Silva do Mar,

A mailos quatro filhinhos,

Vasco da Gama, que andam a ensaiar...


Senhora dos aflitos!

Mártir São Sebastião!

Ouvi os nossos gritos!


Deus nos leve pela mão!

Bamos em paz!


O lanchas, Deus vos leve pela mão!

Ide em paz!


Ainda lá vejo o Zé da Clara, os Remelgados,

O Jeques, o Pardal, na Nam te perdes,

E das vagas, aos ritmos cadenciados,

As lanchas vão traçando, à flor das águas verdes,

«As armas e os varões assinalados...»


Lá sai a derradeira!

Ainda agarra as que vão na dianteira,..

Como ela corre! com que força o Vento a impele:

Vamos com Deus!


Lanchas, ide com Deus!

ide e voltai com Ele

Por esse mar de Cristo...

Adeus! adeus! adeus!


Poema enviado pela Ematejoca


O meu comentário???


Lá fico eu só...


Pouco me importa se sempre desbravamos o mar...


"se edificaram

Novo Reino, que tanto sublimaram"


Como diz Camões...


Só quero que ele volte...


Peço a Deus...


Virei todos os dias a esta capelinha...


Aqui na praia....


Acenderei velas, rezarei o terço...


Cantarei nas procissões....


Falarei com Deus...


Só vou respirar profundamente...


Quando ele regressar....

quinta-feira, dezembro 25, 2008

INCONDICIONAL




Como te amo? Deixa-me contar de quantas maneiras.
Amo-te até ao mais fundo, ao mais amplo
e ao mais alto que a minha alma pode alcançar
buscando, para além do visível dos limites
do Ser e da Graça ideal.
Amo-te até às mais ínfimas necessidades de todos
os dias à luz do sol e à luz das velas.
Amo-te com liberdade, enquanto os homens lutam
pela Justiça;
Amo-te com pureza, enquanto se afastam da lisonja.
Amo-te com a paixão das minhas velhas mágoas
e com a fé da minha infância.
Amo-te com um amor que me parecia perdido - quando
perdi os meus santos - amo-te com o fôlego, os
sorrisos, as lágrimas de toda a minha vida!
E, se Deus quiser, amar-te-ei melhor depois da morte.

de Elizabeth Barrett Browning



Poema enviado por Álvaro Gonçalves do blog Perfil


O meu comentário????

Porque me inspiras....

Chamas por mim com a força que pensava ser exclusiva do Sol...

Nessas noites de chuva grossa...

Com olhares sedutores...

Com a lareira acesa...

As chamas, cúmplices desse amor total...

Que renasce.....
renova-se....
todas as vezes que me sorris...

Porque me amas com alma...

A mesma alma que se uniu à minha....

E me libertou....
Incondicionalmente.......





terça-feira, dezembro 23, 2008

CONTINUAR A VOAR

A PRETO E BRANCO

Eu gosto do preto e do branco.
Por que essas cores me remetem ao meu passado.
E volto a sentir-me como um pássaro calejado
Que, de tanto voar.
Na vertigem de um céu tão cinza
Esqueci-me de sentir e amar
O leve gosto da brisa.
Mas lá ao longe...
na linha do horizonte
Respiro as cores do arco irís..





By Zita do blog "Momentos Dispersos"

O meu comentário???


Abraço o meu corpo....



Sinto-me hesitante.....



Surpreendo-me com o impacto da brisa no meu rosto...



Quando os meus olhos se fixam no horizonte...



Nas cores que o riscam....



Sorrio, encantada....



Estou cansada...



Não tenho descanso....ando sempre a correr....



Atrás de quê??? ...........



Já nem lembro.....



Mas hoje parei.....



Reparei.....



O preto e o branco - a base de tudo.....



Onde posso derramar todas as cores do arco-irís.....



E continuar a voar................





segunda-feira, dezembro 22, 2008

O ECO


não sei se acordei o dia com a inquietação que me corre no sangue.
sei que desassosseguei a noite.
sei que a cama não me descansou o corpo que me pede o teu.
na escuridão da noite revolvi os lençóis.
chamei o teu nome!
recebi-o de volta no eco de muitas vozes,
iguais à minha
e entrava outra vez na minha boca.
o teu nome,
apenas,
foi o que esta noite me saciou de ti.





Poema enviado pela Tufa Tau do blog com o mesmo nome










O meu comentário????






Tudo o que resta.....





No eco....





Um nome que não esquecemos....





Inscrito no fundo da alma...





Essa alma que se defende durante o dia....





Tem medo da noite.........





Adormece-se agarrada a memórias....





Que o tempo tenta gelar...





Teima-se no reencontro com essas memórias.......






Porque é realmente o que resta..........

sábado, dezembro 20, 2008

ALMA INTACTA

Tu chériras la mer

"Homme libre, toujours, tu chériras la mer !
La mer est ton miroir ; tu contemples ton âme

Dans le déroulement infini de sa lame,

Et ton esprit n'est pas un gouffre moins amer.
Tu te plais à plonger au sein de ton image ;
Tu l'embrasses des yeux et des bras,
et ton cœur

Se distrait quelquefois de sa propre rumeur
Au bruit de cette plainte indomptable et sauvage.

Vous êtes tous les deux ténébreux et discrets :
Homme, nul n'a sondé le fond de tes abîmes,
O mer, nul ne connaît tes richesses intimes,
Tant vous êtes jaloux de garder vos secrets !
Et cependant voilà des siècles innombrables
Que vous vous combattez sans pitié ni remord,
Tellement vous aimez le carnage et la mort,
O lutteurs éternels, ô frères implacables !


"Charles Baudelaire
Enviado pela Je Vois la Vie en Vert do blog com o mesmo nome


O meu comentário????



Grita.....

Nessas noites de tempestade....

Despe a tua alma desse ódio que te sufoca...

Tão forte como o mar.........

Grita......

Sem medo....

Pois os teus gritos confundem-se ...

Com o rebentar furioso das ondas....

Depois....

Acalma-te.....

A tempestade passou....

Deixou destroços na areia...

Mas deixou a tua alma intacta...

sexta-feira, dezembro 19, 2008

LIVRE

O QUE SERÁ DO VENTO ...






O que será do vento





Que sussurra na vidraça





E tacteia um movimento





Como num estado de graça!






O que será do vento





Que sopra nos caminhos,





Que me leva o pensamento





E me traz os teus carinhos!






O que será do vento





Nas manhãs enevoadas,





Que faz de cada momento





O Sol das madrugadas!






O que será do vento





Que se enleia nas palavras,





Será mais que um sentimento,





Será seara que tu lavras?










de Alex Gandum do Blog "O Meu Sofá Amarelo










O meu comentário???



Não, acompanhará o mar nas suas viagens...



Regressará um herói....



Nunca ouviremos falar das suas conquistas....



Apenas de lendas....



Porque o vento é irreverente...



Torna-se o amante de todas, mas é um egoísta...



Foge ao primeiro sinal de que o querem prender....



Não sei o que acontecerá ao vento....



Escreverá a sua própria história nesse mar....


De que tanto troça.....


E continuará livre........

quinta-feira, dezembro 18, 2008

AUSENTES

Deixo que adormeças na espuma dos meus dedos
E que encostes os teus lábios na fonte dos meus versos.

E assim, dormente, da sede saciada,
Vejo-te pairar por cima dos meus sonhos.

Poema enviado por Só Eu do blog Manhã de Inverno


O meu comentário????




Não quero adormeçer....




Não quero ser só os teus sonhos....




Que me cantes nos teus versos....




Quero que me sintas.....




Os meus lábios salpicados pela espuma.....




Desse mar que te encanta...




E que me veste...




Que te lembra............




Quando acordo com a boca seca....




Pois chorei a noite inteira....




Com saudades desses teus dedos ausentes....




Mas sempre desejosos de mim......




quarta-feira, dezembro 17, 2008

NOVAS CERTEZAS

Esta noite...




Transporto em minhas mãos



as letras que formam teu nome...




Coloco-as na areia molhada



e sento-me ao lado a olhá-las...




Aproxima-se uma onda



que as espalha, as enrola, as leva...




Entro no mar e tento apanhá-las,



mas volto de mãos vazias...






Olho os sulcos que o mar cavou



e leio teu nome...




E guardo em minhas mãos a certeza



de o ter sempre comigo.






de Lúcia Sousa do Blog "Sol da Meia Noite"






O meu comentário???






Ficas....






Apenas na memória....






O mar muda a face da areia...






É uma folha em branco...






Que tortura com palavras violentas...






Que afaga com palavras tão ternas...






Que fazem com que eu chore...






Talvez porque agora ninguém mais mas dirá....






Talvez fique para sempre com esta sensação de vazio.....






Ou talvez o mar me devolva o teu nome....




Ou o quebre contra as rochas.....






Em mil fragmentos......






E nesses sulcos, onde o escreveu......






Deixe uma mensagem para que eu aprenda a ter novas certezas....



domingo, dezembro 14, 2008

ONDAS DO MAR

SONHO





Numa brisa aprazível e gostosa





um dia me perdi







pelo infinito







daquele mar imenso de açafrão







das rendas sem igual da minha terra







num zarpar constante e permanente







da bruma,







num manifesto querer de navegar







ao encontro da espuma







que mãos, todos os dias a lutar,







numa luta sublime e desigual,







entre vigílias penosas







e angústias mortais







tecem belezas feitas maresia.






E, nos bilros das mãos das rendilheiras,







cansadas já de tanto labutar







de novo me perdi pelo infinito.






E então,







nas ondas me despidos preconceitos, fugi







da bruma e do casar fiz um vestido







de renda branca urdido







por mulheres







obreiras de milagres,







que, entre os dedos







de onde pendem os bilros







contam e recontam mil segredos,







nos piques com perfume de açafrão,







e estórias de encantar







de geração atrás de geração.






E assim eu fui milagre entre milagres,







por, só de ver e ouvir as rendilheiras,







eu própria me sonhar







que era uma renda.














Poema enviado por


Isabel Cabral (do blog SLetras)





O meu comentário???



No infinito...



Nas rendas....



Conto as minhas lágrimas...



O mar rouba-me o meu amor....



A minha paz.....



Os sonhos tornam-se pesadelos.....



Passo os dias.....



Escondida por entre as rendas brancas....



Já nada me dizem....



Em nada me encantam.....



O que era perfeito.....



desapareceu......


............. nas ondas do mar.................

sábado, dezembro 13, 2008

MOMENTOS AZUIS


O AZUL DO MAR

Sempre a fantasiar, sonhar, eu vou...
E para onde, Amor? Inda não sei...
Quimera, fantasia, amor eu sou!
Fresco orvalho, um encanto mago eu dei...

Irei talvez vogar no que passou...
Recordar muitos sonhos que calei!
Viver, sem desdenhar, o que restou,
Votar ao esquecimento o que penei!

Virás comigo ao entardecer
Num sereno e suave enlanguescer
Beber o pôr do Sol e o azul do mar?

Vem! Já mergulha o Sol no Oceano!
Suave, ao longe, o toque dum piano
Que nos enleva e faz extasiar!

Fernanda Costa (blog Fernanda & Poemas)




O meu comentário???


Sentada na areia a ver o pôr-do-sol???


Pensar na música favorita???


Ser-se sereia....


Com conchas no cabelo e algas como colar....


Ou simplesmente.....


Estender-te os braços e sentir-te.....


Bem encostado ao meu peito...


Seguir o voo das gaivotas....


Escrever nos últimos raios de sol....

Tranquilamente...

Tudo o que estamos a viver....

Ali......

Naquele momento mágico....

Em que tudo fica azul.....

quarta-feira, dezembro 10, 2008

ESPELHO DA TUA VOZ

VOZES DO MAR

Quando o Sol vai caindo sobre as águas
Num nervoso delíquio, d'oiro intenso
Donde vem essa voz cheia de mágoas
Com que falas à terra, ó mar imenso?...

Tu falas de festins e cavalgadas
De cavaleiros errantes ao luar?
Falas de caravelas encantadas
Que dormem em teu seio a Soluçar?

Tens cantos d'epopeias? Tens anseios
D'amarguras? Tu tens também receios,
Ó mar cheio de esperança e majestades?!

Donde vem essa voz, ó mar amigo?...
... Talvez a voz do Portugal antigo,
Chamando por Camões numa saudade!

Florbela Espanca
(enviado pela Fernanda Costa do blog Fernanda & Poemas)


O meu comentário???


Escuta a voz do passado....


Mágoas, amarguras e remorsos....


Existem....


Não as arrastes sempre contigo....


Escuta também a tua voz....


A que te devolve o mar....


A que vive em ti....


Chama-lhe o que quiseres.....


Mas continua a caminhar....


Se escolheres um soneto de Camões como mantra.....


É porque encontraste nele o espelho da tua voz.....

segunda-feira, dezembro 08, 2008

OLHAR O MAR

Olha as ondas,



Espuma



E algas.



Regarde la mer.






Olha as rochas,



Gaivotas



E conchas.



Regarde la mer.






Olha as ostras,



Estrelas



E corais.



Regarde la mer






Olha o nosso amor,



Perdido na fúria



Esquecido nas ondas.



Regarde la mer.






Reflexo do céu



Na areia molhada,



Teus passos marcados



No chão da saudade.



Regarde la mer.

Bill Stein Husenbar (blog:
http://www.desabafos-solitarios.blogspot.com)


O meu comentário???


"Look at the sea"....

Não penses nesse amor que se perdeu por entre as rochas....

Arrastado pela espuma que brinca com os teus pés....

Sente essa espuma...

Deixa que ela desenhe os teus pés na areia.....

As ondas toquem a tua pele....

O mar é uma constante.....

Conhece-o....

As cores.....as fúrias.....os sorrisos.....

"Regarder la mer"....

Apaziguar a alma.......
=======
Nota: Pedi aos meus comentadores que me enviassem poemas da sua autoria, ou do seu poeta favorito para eu comentar...
O tema terá que ser o "Mar"..
Obrigada, Bill...

sexta-feira, dezembro 05, 2008

POETA

De almas sinceras a união sincera



Nada há que impeça: amor não é amor



Se quando encontra obstáculos se altera,



Ou se vacila ao mínimo temor.



Amor é um marco eterno, dominante,



Que encara a tempestade com bravura;



É astro que norteia a vela errante,



Cujo valor se ignora, lá na altura.



Amor não teme o tempo, muito embora



Seu alfange não poupe a mocidade;



Amor não se transforma de hora em hora,



Antes se afirma para a eternidade.



Se isso é falso, e que é falso alguém provou,



Eu não sou poeta, e ninguém nunca amou.









O meu comentário????


Não sou poeta....

Mas amo alguém....

Deixei de ter medo....

Entreguei-me por completo.....

À luz das estrelas....

Ao desafio constante da Lua....

Ao Sol....espreguiça-se o corpo....

Oferece-se o sorriso mais aberto.....

E....depois????

É-se poeta....

terça-feira, dezembro 02, 2008

SEM ENSAIOS

À DESCOBERTA DO AMOR




Ensaia um sorriso




e oferece-o a quem não teve nenhum.




Agarra um raio de sol




e desprende-o onde houver noite.




Descobre uma nascente




e nela limpa quem vive na lama.




Toma uma lágrima




e pousa-a em quem nunca chorou.




Ganha coragem




e dá-a a quem não sabe lutar.




Inventa a vida




e conta-a a quem nada compreende.




Enche-te de esperança




e vive á sua luz.




Enriquece-te de bondade




e oferece-a a quem não sabe dar.




Vive com amor




e fá-lo conhecer ao Mundo.






O meu comentário????


Para que haja sempre luz...


Ninguém a apague...


Amor no coração....


Sente-se e transmite-se a Paz....


Reflecte-se na forma como se ama....


Como se fala aos outros....


Em palavras simples.....


........fazer com que sintam parte do Mundo...


Esse Mundo que os esquece....


Porque um sorriso nunca se ensaia...


segunda-feira, dezembro 01, 2008

DEI-TO

Prometo



Prometo buscar o amor dentro do seu coração,



Prometo cultivá-lo,



Prometo lhe dar consolo quando precisar.



Prometo te amar,



Fazer dos problemas



Momento insignificantes.



Prometo te dar apoio,



Compreensão.



Te prometo acima de tudo



A minha amizade.



Prometo estar sempre do seu lado.



Prometo encontrar seus sorrisos



E enxugar suas lágrimas.



Prometo ficar acordada



Velando por teu sono.



Prometo que vou buscar todas



As formas para lhe fazer feliz.



Prometo que as estrelas serão suas



E a lua será nossa...



São milhões de promessas



De um Verdadeiro Amor sem limites,



Que jamais terá fim"PROMETO..."






Autor desconhecido






O meu comentário???


Não prometas...


A luz das estrelas....


Dá-me o teu sorriso....


Olha para mim e faz-me suspirar....


Não tentes encontrar o amor no meu coração...


Vive-o....


Deixa-mo viver....


Em ti...


Nada me prometas....


Dá-me....


Eu dei-to.....


Amo-te.....




sexta-feira, novembro 28, 2008

COM MEDO

Queria eu dizer...


Queria eu dizer que muitos
tiros ouvidos, muitos medos,
que muitos lumes acesos
entram também neste saco.

Que arrasto o quê, me arrasto,
ínfimo caracol da mata
talvez útil mas só no dia
em que nele tropeçardes.

Escrevo Zala, Nambuangongo,
e penso: é um grito alto.
Queria eu dizer que há coisas
com que vos não maçais.



"Queria eu dizer" de Fernando Assis Pacheco


O meu comentário????


A vida é feita de tudo...


Lama, sangue, tiros e gritos...


Há Guerras...


Há Medo...


Há Sol...também...


Há Alegria....


Coisas positivas que devemos salvaguardar....


Para que não se viva só no e com Medo......

quarta-feira, novembro 26, 2008

DO BEIJO

Um vento leve, uma espuma
Do beijo fica um sabor,
do sabor uma lembrança,
um vento leve, uma espuma.

Do beijo fica um sereno
olhar, o amor de coisas
minúsculas e humildes,
um pássaro que vai e vem
da nossa boca às palavras.
Do beijo fica, suprema,
a descoberta da morte.
Um vento leve, uma espuma
salgada, à flor dos lábios.




Fernando Assis Pacheco


O meu comentário????


Do beijo...


Fica-me, sim o teu sabor...


Crava-se na minha memória...


Une-me a ti...


Sempre....


Na tua ausência...


Renova-se quando me encontras...


Na chuva de desejos....


No amanhecer do prazer...


Nesse sorriso tolo...


Aparentemente...

domingo, novembro 23, 2008

LOCAL SECRETO

Fundo do mar



Quero ver
o fundo do mar
esse lugar
de onde se desprendem as ondas
e se arrancam
os olhos aos corais
e onde a morte beija
o lívido rosto dos afogados

Quero ver
esse lugar
onde se não vê
para que
sem disfarce
a minha luz se revele
e nesse mundo
descubra a que mundo pertenço


Mia Couto







O meu comentário???










Se descubram os segredos do meu coração...










E na minha alma se escreva o amor que sinto...










Desfruto e sacio a minha sede....










De descobrir a verdade do mundo...










Ao qual pertenço....










Porque te amo....










Sempre....










O fundo do mar....o nosso local secreto.....





sexta-feira, novembro 21, 2008

DECLARAR

Para ti



Foi para ti
que desfolhei a chuva
para ti soltei o perfume da terra
toquei no nada
e para ti foi tudo

Para ti criei todas as palavras
e todas me faltaram
no minuto em que falhei
o sabor do sempre

Para ti dei voz
às minhas mãos
abri os gomos do tempo
assaltei o mundo
e pensei que tudo estava em nós
nesse doce engano
de tudo sermos donos
sem nada termos






simplesmente porque era de noite
e não dormíamos
eu descia em teu peito
para me procurar
e antes que a escuridão
nos cingisse a cintura
ficávamos nos olhos
vivendo de um só olhar
amando de uma só vida





Mia Couto




O meu comentário???




E sinto saudades dessas palavras...

A medo não digo....



Divulgo-as na minha pele...


Deixo que se declarem...


Todas as vezes que me tocas....


terça-feira, novembro 18, 2008

FAZER DE CONTA

Ser, parecer


Entre o desejo de ser
e o receio de parecer
o tormento da hora cindida

Na desordem do sangue
a aventura de sermos nós
restitui-nos ao ser
que fazemos de conta que somos



Mia Couto




O meu comentário???


Por vezes.....

A pergunta é: "quem somos"...

A resposta: "a pessoa que vive realmente em nós"...

Ridicula aos olhos dos outros...

Talvez....

Um bom riso para sacudir a alma...

Para nos entregarmos ao verdadeiro prazer...

De não viver uma vida de faz conta....

Dar asas ao verdadeiro desejo de ser.....

Sentir o sangue a ferver .....

...............e a energia suficiente para ultrapassar limites....

segunda-feira, novembro 17, 2008

EM TI

Palavra que desnudo


Entre a asa e o voo
nos trocámos
como a doçura e o fruto
nos unimos
num mesmo corpo de cinza
nos consumimos
e por isso
quando te recordo
percorro a imperceptível
fronteira do meu corpo
e sangro
nos teus flancos doloridos
Tu és o encoberto lado
da palavra que desnudo






Mia Couto











O meu comentário???







Quando te recordo...







Percorro as memórias...







Os beijos quentes...







Os suspiros e os desejos...







Em palavras deliciosas....







Que voam na pele....







...........reencontram-se na minha vontade....







De te amar e voar em ti............



domingo, novembro 16, 2008

LINGUAGEM DO CORPO

Nocturnamente





Nocturnamente te construo





para que sejas palavra do meu corpo










Peito que em mim respira





olhar em que me despojo





na rouquidão da tua carne










me inicio





me anuncio





e me denuncio










Sabes agora para o que venho





e por isso me desconheces










de Mia Couto





O meu comentário???





Amar....





Falar....





Gritar...





Sorrir...





Respira-se...





Completa-se o incompleto...





A voz transforma-se....





Quente....





Sensual...





Como a linguagem do corpo...