sexta-feira, dezembro 05, 2008

POETA

De almas sinceras a união sincera



Nada há que impeça: amor não é amor



Se quando encontra obstáculos se altera,



Ou se vacila ao mínimo temor.



Amor é um marco eterno, dominante,



Que encara a tempestade com bravura;



É astro que norteia a vela errante,



Cujo valor se ignora, lá na altura.



Amor não teme o tempo, muito embora



Seu alfange não poupe a mocidade;



Amor não se transforma de hora em hora,



Antes se afirma para a eternidade.



Se isso é falso, e que é falso alguém provou,



Eu não sou poeta, e ninguém nunca amou.









O meu comentário????


Não sou poeta....

Mas amo alguém....

Deixei de ter medo....

Entreguei-me por completo.....

À luz das estrelas....

Ao desafio constante da Lua....

Ao Sol....espreguiça-se o corpo....

Oferece-se o sorriso mais aberto.....

E....depois????

É-se poeta....

5 comentários:

Lyra disse...

Estou em sintonia total com o que tu dizes, ehehehhe.

Um excelente fim-de-semana para ti.

Beijinhos e até breve.


;O)

Lyra

BC disse...

Desapareceu Marta, nunca mais foi tomar chá.
Porque?
O poema para pensar!!!
Beijo
Isabel

Bill Stein Husenbar disse...

Todos somos poetas

http://desabafos-solitarios.blogspot.com/

FERNANDA & POEMAS disse...

Olá querida Marta, uma beleza de poema, encantei-me... Beijinhos de carinho e ternura,
Fernandinha

Iarinha disse...

Sim. E no final,
com a força que se ama...
se mostra o poeta que mora em nós.

;)

Parabéns pelo blog!
Lindo!