sexta-feira, setembro 25, 2009

SER IGUALMENTE FELIZ

Resgate


Não sou isto nem aquilo

É o meu modo de viver


É, às vezes, tão tranquilo


Que nem chega a dar prazer...


Todavia, onde apareço,


Logo a paz desaparece


E a guerra que não mereço


Dá princípio à minha prece.


És alegre? Vês-me triste?


Por que não te vais embora?


Quem é triste é porque é triste.


E quem chora é porque chora.


Tenho tudo o que não tens


Tenho a névoa por remate.


Sou da raça desses cães


Em que toda a gente bate.


Só a idade com o tempo


Há-de vir tornar-me forte.


A uns, basta-lhes o vento...


Aos Poetas, basta a morte.


Pedro Homem de Mello, in "Eu Hei-de Voltar um Dia"


O meu comentário???


A pergunta que continuo a fazer...

Ser quem sou.....

dentro das fronteiras que estabeleci...

O que tenho...

pode ser realmente uma migalha...

Fui eu, no entanto, quem a conquistou...

Se te sentes feliz navegando num oceano

e eu tenho medo de o atravessar...

Deixa....
Posso ver o Mundo a girar
doutra maneira...
Ser igualmente feliz...

quinta-feira, setembro 24, 2009

AS CORES

A poesia não é voz - é uma inflexão.

Dizer, diz tudo a prosa. No verso


nada se acrescenta a nada, somente


um jeito impalpável dá figura


ao sonho de cada um, expectativa


das formas por achar. No verso nasce



à palavra uma verdade que não acha


entre os escombros da prosa o seu caminho.


E aos homens um sentido que não há


nos gestos nem nas coisas:
vôo sem pássaro dentro


Aurora - de Adolfo Casais Monteiro


O meu comentário???


Eu, escrever um poema?


Duvidei da ideia


- ri-me mesmo.


Mas tentei...


Aprendi, realmente a voar.


Nas palavras que sinto...


Transformando a minha ilusão

numa realidade,

sonhada,

que sempre tive medo de agarrar...

Na aurora,

nas minhas palavras..

nos meus poemas

falo sempre das cores....

segunda-feira, setembro 21, 2009

ESCUTAR DESEJOS

Quanto tempo tem o tempo para me dar?




Um instante?




A eternidade?




Apenas a saudade?








Quanto tempo é um instante?




Quanto dura a eternidade?




Quando tempo é saudade?








Quanto tempo é bastante?




Quanto tempo soube amar?




Quanto tempo o tempo tem?




Quanto tempo para me dar?








de Filipe Campos Melo - "Quanto tempo o tempo tem"




do Livro "Na Utopia, Sou Profeta"






O meu comentário???




O tempo?

São memórias felizes,

mesmo que embrulhadas na saudade.

Um tempo,

sem segredos.

Á escuta apenas de desejos.

E esses (os desejos),

sim,

são eternos..