quinta-feira, dezembro 09, 2010

RIMAS VERDADEIRAS

Não me importo com as rimas. Raras vezes
Há duas árvores iguais, uma ao lado da outra.
Penso e escrevo como as flores têm cor.
Mas com menos perfeição
no meu modo de exprimir-me.
Porque me falta a simplicidade divina
De ser todo só o meu exterior.
Olho e comovo-me.
Comovo-me como a água corre quando o chão é inclinado.
E a minha poesia é natural como levantar-se o vento.

"Não me importo com as rimas" de Alberto Caeiro

O meu comentário???
É simples e é divino....
Exactamente por isso...
Por ser natural e falar com alma...
Da cor das flores,
das lágrimas que insistem em espreitar...
Do vento que nos acaricia
e nos enlouquece...
Da fantasia que rompe a escuridão...
Do simples acto de respirar
e estar presente....
Em rimas verdadeiras....

segunda-feira, dezembro 06, 2010

TOLERANTES

Não sou a areia
onde se desenha um par de asas
ou grades diante de uma janela.
Não sou a pedra que rola nas marés
do mundo, em cada praia renascendo outra.
Sou a orelha encostada na concha da vida,
sou construção e desmoronamento, servo e senhor
e sou mistério.
A quatro mãos escrevemos este roteiro
para o palco da minha vida; o meu destino e eu.
Nem sempre estamos afinados, nem sempre nos levamos a sério.

"Convite" de Lya Luft (Santa Cruz do Sul, RS, n.1938)

O meu comentário???
O verdadeiro mistério...
é saber como continuamos vivos...
Se dominamos o mundo
ou se ele nos domina.
Se vamos encontrar resposta
para todas as questões
ou só para algumas.
O que é o destino?
Que papel desempenhamos nele?
Talvez seja a loucura
ou a tolerância.
Ou a resposta esteja no
respeito.
Por aquilo que somos...
Mesmo que sejamos
a tal pedra, escondida
na areia e que
se atira novamente
para o mar....