sexta-feira, dezembro 30, 2005

ENCONTRAR O NOSSO RUMO

Diz Isabel Allende no seu livro, Paula:

"Sou uma jangada sem rumo a navegar num mar de amargura"

Acho que todos nós, em determinada altura da nossa vida, passamos pelo mesmo.

Contudo, tal como Isabel Allende encontrou mais tarde o seu rumo, também nós temos que esquecer a amargura e construir uma nova vida.

Os meus votos para 2006 são exactamente esses:
Esquecer a amargura do passado e concentrar no que de bom o presente nos pode trazer!
Sem nunca, mas nunca esquecer os amigos!

terça-feira, dezembro 20, 2005

VOTOS

Os meus votos para este Natal:

Citando Paulo Coelho - Manual do Guerreiro da Luz

"
Um guerreiro da luz compartilha com os outros o que sabe do caminho.
Quem ajuda, é sempre ajudado e deve ensinar o que aprendeu.
"

Muita gente me ajudou a encontrar o caminho; ajuda-me ainda a manter o trilho certo.
Ainda não sou um "guerreiro da luz", mas se precisarem que eu vos acompanhe nessa caminhada, estou aqui!

Feliz Natal!!!

quinta-feira, dezembro 15, 2005

DESEJOS DE NATAL

Frases de Natal:

Fitas, laços dourados e vermelhos, cartões de papel reciclado, frasquinhos de cristal e sobretudo um bom livro à mão

Dia de Natal: dia de paz como deviam ser todos os dias....

Shoppings e encontrões, pais Natais dão balões, multibanco fora de serviço, não consigo estacionar, árvores, luzes... bolas, é Natal outra vez.

Moral:

Bem sei que a frase é gasta, diz-se sempre isto, mas parece que ninguém a escuta:

A paz deve ser celebrada todos os dias; nunca deve ficar "fora de serviço".

Este Natal, ao admirar um frasquinho de cristal, vejam como reflecte a luz e lembrem-se que a luz deve ser sempre assim, em qualquer dia do ano.
Brilhante, cristalina, pura e inspiradora!!!

segunda-feira, dezembro 12, 2005

PERDER O CONTROLO

Existem momentos na vida em que a única alternativa possível é perder o controlo

diz Paulo Coelho em "Brida"

Eu estou a perder o controlo - tenho feito o possível e o impossível para evitar o caos.
Simplesmente não consigo - cheguei ao fim do caminho!
Por isso, não me levem a mal, mas eu vou BERRAR....................
Talvez depois me sinta melhor e possa continuar o meu caminho!

quinta-feira, dezembro 08, 2005

TORNAR O SONHO POSSÍVEL


"Só há uma coisa torna o sonho impossível:
o medo de fracassar"
Paulo Coelho - O Alquimista

Diz um poeta português que é o "sonho que comanda a vida".
A vida sem sonhos é apenas um quadro preto.
Por isso, vamos partilhar os sonhos e fazer o possível para que, mesmo que seja um fracasso, o próximo seja um êxito.

segunda-feira, novembro 28, 2005

AMAR SEGUNDO PAULO COELHO

Amar é observar as mesmas montanhas de ângulos diferentes

Paulo Coelho - As Valquírias

Hoje, não consigo ver nada!
Não sei se é porque o céu está carregado de nuvens e ameaça chover ou se sou eu, porque estou desapontada, não consigo ver para além da chuva e partir em busca das minhas montanhas azuis.
Onde estás tu e porque não falas?

quarta-feira, novembro 23, 2005

DESAFIOS X

Termino com a tradução de provérbios gregos enviados pelo Jarreta

Quem em todos crê erra; e quem em nenhum não acerta
Não bebas coisa que não vejas, e nem assines carta que não leias

O meu comentário pessoal:

Os dois provérbios falam de confiança e nem sempre é fácil lidar com este tipo de situações.
Como diria Buda, "é no meio que se encontra a virtude", porque pode ser uma faca de dois gumes.
Temos que confiar nos outros até certo ponto, mas o essencial é acreditarmos em Deus e na família.
Depois, é olharmos para nós próprios e seguir o que a nossa consciência e coração dizem.

quinta-feira, novembro 17, 2005

DESAFIOS IX

"A lingua das mulheres é a sua espada e têm o cuidado de a não deixarem enferrujar." Prov.Chinês

enviado por Patiblue

O meu comentário pessoal:

Diz-me a experiência que não é bem assim. Há homens que também o fazem!!!
Seja homem ou mulher, é sinal que as pessoas não têm objectivos, estão sós e por inveja, vivem a vida dos outros.
Não é novidade o que digo; todos o sabemos e já conhecemos o poder dessa "espada" que pode cortar a cabeça quando menos se espera.
A única coisa a fazer é tentar "fugir" desse corredor, que em nada enriquece a nossa vida!

segunda-feira, novembro 14, 2005

DESAFIOS VIII

"O Cântaro só dá o que tem." Prov.Àrabe

enviado por Patiblue


O meu comentário pessoal:

Diz-se vulgarmente "e a mais não se é obrigado"!
Milagres não se fazem e só podemos oferecer o que temos na vida.
Há quem exiga demais dos outros, talvez para se afirmar ou por puro egoísmo.
Depois não olha para trás e não vê como fez os outros sofrerem!
Temos que aceitar os nossos limites e os dos outros.

sábado, novembro 12, 2005

DESAFIOS VII

1 - "sê grave enquanto és jovem e descuidado quando fores velho"
2 - "podes acelerar o teu despertar mas não o teu repouso"

Provérbios Chineses enviados por SombrArredia
O meu comentário pessoal:
1 - Que a vida não é uma história de fadas ou que nos vai aparecer o génio da lâmpada para nos conceder três desejos - sabemos que é verdade e é, por isso que temos que ser responsáveis.
Quando envelhecemos, podemos então relaxar e começar a fazer aquilo com que sempre sonhamos - como por exemplo descobrir a tranquilidade da jardinagem, dos bonsai, um grupo de leitura, de escrita, etc. Continuamos a viver, mas controlamos o nosso tempo com o nosso próprio prazer!
2 - A morte virá ter connosco na altura em que estivermos prontos para a aceitar.
Se vier antes dessa hora, é porque desafiamos Deus e nunca devemos desafiar Deus - a vida tem muita coisa boa a oferecer-nos - vamos, então despertar e construir - nunca destruir!

quinta-feira, novembro 10, 2005

DESAFIOS VI

"A honestidade é coisa durável por ter geralmente pouco uso". Prov.Sueco - enviado por Patiblue

O meu comentário pessoal:
Lamentável esquecer que devemos viver em sociedade, que fazemos parte de uma comunidade onde o respeito deve existir!
É mais fácil pisar os outros e olhar para os nossos próprios pés que sermos honestos e lutarmos para que este conceito seja considerado "real"!!

terça-feira, novembro 08, 2005

DESAFIOS V

Provérbios Chineses enviados por SombrArredia
" que conheces dos teus amigos? a cara ou o coração?"
"a ignorância é a noite do espírito, uma noite sem lua e sem estrelas"
O meu comentário pessoal:
Os meus amigos - a maior qualidade é serem honestos e por isso, são verdadeiros.
Mas já sofri amargamente nas mãos poucas escrupulosas de quem é ignorante e não sabe observar a beleza calma da noite
e viajar pelo espaço com as estrelas.

segunda-feira, novembro 07, 2005

DESAFIOS IV

Provérbio sânscrito
"O conhecimento é o mais precioso dos tesouros porque jamais pode ser dado nem roubado, nem consumido."

Enviado por Jarreta

O meu comentário pessoal:
Porque navegamos com segurança no mar encrespado do mundo - equivale ao nosso próprio prazer, não só enriquecendo a nossa alma, mas ajudando também os outros!

DESAFIOS III

"Quem faz tudo o que quer, não faz tudo o que deve." Prov.Português
"Pouca consciência e grande diligência tornam o homem rico." Prov.italiano
"Com arte e engano vive-se parte do ano. Com engano e arte, vive-se a outra parte." Prov.Português "
Mulher que bebe não paga o que deve." Prov.espanhol
enviados por Patiblue

O meu comentário pessoal:
A tristeza, a solidão e o desinteresse das pessoas.
Talvez falta de escrúpulos e de valores.
Resumindo: o egoísmo continua a ser o grande "vencedor" nesta batalha que é a vida diária!

DESAFIOS II

"Bibliotecas são armazéns da fantasia humana.
-Lugar onde falam as almas imortais dos mortos." Prov.sueco – enviado por Patiblue

O meu comentário pessoal:

A fantasia faz parte da vida; é, portanto importante descobrir o papel que desempenhou na vida dos imortais, que marcaram o seu lugar na história de qualquer século – às vezes, talvez como agora, não passou de uma fachada para esconder a verdadeira miséria humana; a verdade universal e sombria das coisas.

DESAFIOS I

Lançei um desafio à comunidade do BookCrossing e vejam como responderam:

Provérbio egípcio
"O arqueiro acerta o alvo, parte pelo esticamento, parte pelo relaxamento. O barqueiro alcança a terra, parte do esticamento, parte do relaxamento." - enviado por Jarreta

Meu comentário pessoal:

Ambos têm que se concentrar para alcançar os objectivos – só que muitas vezes, muita gente não os alcança.
Por falta de sorte ou por falta de ambição? Medo de si próprio ou dos outros?
Ou talvez um pouco de tudo?

quarta-feira, novembro 02, 2005

CAMINHAR COM LUCIDEZ

Yummen

Quando tiveres de caminhar, caminha.
Quando estiveres sentado, permanece sentado
Aquilo que fizeres, fá-lo francamente

Encontrei este provérbio numa agenda poética para 2006.
Outra palavra para "francamente" seria com "clareza" ou "lucidez".
Porque realmente quem não tem nada a esconder faz tudo abertamente, às claras, à vista de todos, passando por cima das intrigas, dos mexericos de quem nada aprendeu!
Oh, sim, não se convençam do contrário - quem fala dos outros é porque esconde alguma coisa!!!

quinta-feira, outubro 27, 2005

CHUVA

Eugénio de Andrade

Casa na Chuva

A chuva, outra vez a chuva
Sobre as oliveiras
Não sei porque voltou esta tarde
Se a minha mãe já se foi embora,
Já não vem à varanda para a ver cair,
Já não levanta os olhos da costura
Para perguntar:
Ouves?
Oiço, mãe, é outra vez a chuva,
A chuva sobre o teu rosto

Às vezes, também me sinto impotente quando vejo a minha Mãe, perfeitamente mergulhada na sua velhice, sem vontade até para falar!

segunda-feira, outubro 24, 2005

MAIS SORRISOS

E, porque falamos em sorrisos, porque não sorrir com este poema maravilhoso de Eugénio de Andrade:

Sorriso
Creio que foi o sorriso,
o sorriso foi quem abriu a porta.
Era um sorriso com muita luz
lá dentro, apetecia
entrar nele, tirar a roupa, ficar
nu dentro daquele sorriso.
Correr, navegar, morrer naquele sorriso

Nada como um sorriso franco, generoso, caloroso para abrirmos à nossa vida e mente ao mundo!!!!

sábado, outubro 15, 2005

JAPONÊS

Provérbio Japonês

As palavras são como uma teia de aranha.
Para o homem inteligente, são como um abrigo
e para o rude, uma armadilha

Hoje, as palavras são realmente um abrigo - encho-as com os meus sentimentos.
Mas já foram uma armadilha, não por eu ser rude, mas por confiar demais em pessoas que são pequenas demais!!!

quinta-feira, outubro 06, 2005

MUITAS PALAVRAS

As Palavras

São como um cristal
As palavras,
Algumas um punhal,
Um incêndio.
Outras,
Orvalho apenas

Eugénio de Andrade

Ultimamente, as palavras que escuto são punhais cravados nas costas!
Porquê? Já desisti de saber; já nem quero saber; vou preocupar-me, sim com as minhas palavras para que sejam ouvidas por quem eu quero.
Principalmente pelos meus amigos!

quinta-feira, setembro 29, 2005

TENTAÇÃO

CORAÇÃO POLAR
Manuel Alegre

Há um eu errante e mareante
Não mais que um signo,
Um batimento,
Um coração polar
Algo que tem a cor do gelo
E do antárctico
E sabe a sul
A medo a tentação
Uma irremediável navegação interior
Um navio fantasma
Amor fantástico

Não é como nos sentimos, todos, uma vez na vida?
Sem rumo, sem destino, perdidos no labirinto da paixão, que pode ser gelada ou ter o calor dos trópicos.

quinta-feira, setembro 22, 2005

SENTIMENTOS


REPETIR O POEMA
Isabel de Sá

Só o lume dos teus beijos rompe
A treva onde a solidão nos mata
Enrolamos a vida no escuro,
Na semente de um amor atribulado.
Conhecemos o ritmo e a sede,
A convulsão do desamparo.
No sentido do corpo, no acerto
Desce a força pelos braços
Na violenta festa do prazer.
Tudo o que disseste
No desaforo da paixão
Só podia incendiar a vida inteira
E encher de esperança o universo


Perfeita descrição do que sinto neste momento;
se é ilusão,
se tiver que o admitir mais tarde,
pelo menos gozei o momento!
Nunca me senti tão completa;
nunca em mim descobri sentimentos tão avassaladores!
Será que o meu corpo,desta vez, transmitiu os sinais correctos e alguém os identificou correctamente?

quinta-feira, setembro 08, 2005

UM DIA DE OIRO


Espero sempre por ti o dia inteiro,
Quando na praia sobe de cinza e oiro,
O nevoeiro,
E há em todas as coisas o agoiro
De uma fantástica vinda

de Sophia de Mello Breyner Andresen

A promessa de um dia de sol,
a vinda de alguém que não vemos há anos,
o regresso a casa do amor, do filho, da irmã
ou mesmo o nosso.
Quando se dissipa o nevoeiro, tal como a Sophia diz, alguma coisa dourada fica!

quarta-feira, agosto 31, 2005

APESAR DE


Apesar das ruinas e da morte,
onde sempre acabou cada ilusão,
a força dos meus sonhos é tão forte,
que de tudo renasce a exaltação.
E nunca as minhas mãos ficam vazias.

Sophia de Mello Breyner Anderson - Poesia

É, Sophia, as nossas mãos nunca ficam vazias quando sonhamos, nem que seja por um minuto!
Obrigada por me ajudares a compreender que posso transformar a minha vida, sonhando, como agora faço, com as palavras que tu escreveste e que nunca serão esquecidas.

terça-feira, agosto 30, 2005

MAGOAR


IMPROVISO NA MADRUGADA
Húmido de beijos e de lágrimas,
ardor da terra, com sabor a mar,
o teu corpo perdia-se no meu.
(Vontade de ser barco ou de cantar)
Eugénio de Andrade

O meu corpo não se perde no teu, porque tu não queres;
não me queres magoar!
Mas não sei o que me magoa mais - o facto de não me queres magoar ou de me estares mesmo a magoar com o teu silêncio e com a tua distância!

segunda-feira, agosto 29, 2005

SIMPLES


DESPERTAR

É um passáro, é uma rosa
É o mar que me acorda?
Passáro ou rosa ou mar
tudo é ardor,
tudo é amor.
Acordar é ser rosa na rosa,
Canto na ave,
água no mar

Eugénio de Andrade

Será apenas uma visão simples do amor?
Porque é que o amor é, por vezes, igual a desilusão?
Ou porque é que nos criticam quando queremos que seja assim?
Simples, como a rosa, como o passáro ou o mar!!!

quarta-feira, agosto 24, 2005

Somos folhas breves onde dormem
as aves de sombra e solidão.
Somos só folhas e o seu rumor
Inseguros, incapazes de ser flor
até a brisa nos perturba e faz tremer.
Por isso, cada gesto que fazemos,
cada ave se transforma noutro ser

Eugénio de Andrade - Somos folhas breves

Encontrei este poema no Jardim dos Sentimentos, nos Jardins do Palácio de Cristal.
O Jardim é lindo e só um poema escrito com o coração e com alma poderia lá estar!
Como eu, Eugénio de Andrade amava profundamente esta cidade e hoje, que me sinto perturbada, procurei a paz dos Jardins e a vista maravilhosa para o rio para me redescobrir.

terça-feira, agosto 09, 2005

MORTE

CALINO DE ÉFESO:

A morte virá no momento
Em que tenham urdido as Moiras,
Porque não está no destino de um homem
Escapar à morte, nem mesmo que a sua estirpe
Viesse dos deuses.

A verdade das coisas!
Li este verso no livro "As duas mortes de Sócrates" e achei interessante.
Sei que há pessoas que não aceitam bem a morte; talvez seja porque acham que a vida as tratou mal.
Sinceramente......só espero morrer em paz comigo mesmo e com o mundo!

quarta-feira, agosto 03, 2005

ESCREVER PARA VOLTAR A NASCER

ESCREVO - EUGÉNIO DE ANDRADE
Escrevo já com a noite em casa. Escrevo
sobre a manhã em que escutava
o rumor da cal ou do lume
e eras tua somente a dizer o meu nome.
Escrevo para levar à boca o sabor
da primeira boca que beijei a tremer.
Escrevo para subir às fontes
E voltar a nascer
Há várias razões para se escrever - um amor quase perfeito, uma dor lancinante, uma forma de preencher a solidão.
O meu amor não foi perfeito; o espinho da dor cravou-se bem fundo e ao preencher a solidão, encontrei outras formas de viver o que não sabia que existia.
Por isso, vou continuar a escrever para voltar a nascer até que, um dia, a luz se apague!

segunda-feira, julho 25, 2005

LER O ADEUS

ADEUS - EUGÉNIO DE ANDRADE
.................
Não temos já para dar.
Dentro de ti não há nada que me peça água.
O passado é inútil como um trapo.
E já te disse: as palavras estão gastas.
Adeus

Isto é apenas parte de um poema que fala da separação e que resume a verdade.
Quando não há nada, nem para dar nem para receber, é admitir a derrota e assumir que se falhou!
Não, não podemos falar em "falhar" - palavra brusca demais; destroí a auto-estima e isso nunca devemos perder.
Eu perdi-a, às vezes sinto a tua falta, mas já aprendi a viver sem ti. Não falhei em nada; apenas entreguei o meu amor a alguém que não o quis aceitar.
É como eu quero ver as coisas; como as leio!

UM CONSELHO

CONSELHO - EUGÉNIO DE ANDRADE

Sê paciente; espera que a palavra amadureça
e se desprenda como um fruto
ao passar o vento que a mereça

Mas nem sempre esperamos que amadureça ou que o vento passe!
Falamos depressa, sem pensar e às vezes, arrenpendemo-nos do que dizemos!
Não podemos desfazer o que de mal fizemos; por isso, é um bom conselho - seja para quem for, não vá o Diabo tecê-las e tudo poderá desfazer-se em pó!!!

quarta-feira, julho 20, 2005

CRUEL

Diz Florbela Espanca,

"Quando me não quiseres mais,
Mata-me por piedade!
Deixares-me a vida, sem ti
É bem maior crueldade"

Perdoa-me, Florbela, mas às vezes, a maior crueldade é jogar com os nossos sentimentos; não é ficar sozinha!
Ficar sozinha e com a nossa dignidade intacta - é uma forma de vida!

segunda-feira, julho 04, 2005

SEMPRE A NOSSA MÃE

"Se soubesse como ainda amo as rosas,
Talvez não enchesses as horas de pesadelos.

Mas tu esqueceste muita coisa;
Esqueceste que as minhas pernas cresceram,
Que todo o meu corpo cresceu,
E até o meu coração
Ficou enorme, mãe!"

Eugénio de Andrade - POEMA À MÃE - Os amantes sem dinheiro

Para as nossas mães, nunca crescemos; somos sempre aquela criança que ela trouxe dentro de si!
É natural, mas também pode ser sufocante!
A relação pode ser bem "infeliz", como o poema diz:

"Por isso, às vezes as palavras que te digo
São duras, mãe,
E o nosso amor é infeliz.
"
De qualquer forma, nunca nos devemos esquecer que ela é e continuará a ser sempre a nossa mãe e sentiremos sempre a sua falta.

sexta-feira, julho 01, 2005

RARO

"Sou feliz e canto
Só por causa de você"

É o refrão da canção de Ivete Sangala, "Beleza Rara".
Gosto muito da canção, mas não sei é possível encontrar essa "Beleza Rara".
Não sei porquê; mas cá dentro do coração, algo me diz que nunca vou encontrar essa "beleza"!

segunda-feira, junho 27, 2005

Á MÃE

POEMA À MÃE
No mais fundo de ti
Eu sei que te traí, mãe
Tudo porque já não sou
O menino adormecido
No fundo dos teus olhos

Isto é apenas parte do poema escrito por Eugénio de Andrade, no livro "Os Amantes sem Dinheiro".
Foi um amigo que me enviou - sem mais nada escrito!
Apenas o poema, uma simples homenagem ao poeta e a cada uma das nossas mães.

quinta-feira, junho 16, 2005

RUMORES E HUMORES

APENAS UM RUMOR
E no teu rosto
aberto sobre o mar
Cada palavra era
apenas o rumor de um
bando de gaivotas a passar
Eugénio de Andrade

Se os rumores fossem só isso.......
Mas, às vezes, magoam muito as pessoas e fazem com que as coisas nunca voltem a ser o que eram!!!

terça-feira, junho 14, 2005

A EUGÉNIO DE ANDRADE

Em homenagem a Eugénio de Andrade, só podia transcrever um dos seus versos:
Quase nada
O amor é uma ave a tremer
nas mãos de uma criança.
Serve-se de palavras por ignorar
que as manhãs mais limpas não têm voz
Curioso pensar, mas voltamos outra vez à infância quando amamos!
E sentimo-nos desamparados e hesitantes porque somos ultrapassados por um sentimento mais profundo do que nós próprios!

segunda-feira, junho 13, 2005

FALAR DE AMOR SE ESTOU MORTO

E COMO FALAR DE AMOR SE ESTOU MORTO?
E como falar de amor se estou morto?
Se nós mortos não temos paixões,
nem de humanos afectos sentimentos
somente dos vivos somos o espanto
Cartas do Inferno - Ramon Sampedro

É um poema violento - sente-se a angústia, a frustação, a dor deste homem, que ficou tetraplégico e quis morrer, porque a vida deixou de ter sentido.
Nada mais posso dizer; apenas gostava de receber os vossos comentários!

terça-feira, junho 07, 2005

O QUE DE BOM HÁ

Quarto Crescente
Amanheceu!
Mais um belo dia que desponta!
E mais um dia tenho
para te amar!
Memórias de uma lua - Nadina Carvalho

Eu tenho mais um dia para amar o mundo e o que de bom há nele!
Talvez ainda mais, porque tu existes e mesmo que sejamos só amigos, isso já dá uma outra luz ao mundo!!

segunda-feira, junho 06, 2005

O FIM DO ESPAÇO

FIM
O Fim
Sepulta em si mesmo
O que já não é, mas foi
O vazio de um talvez
E o silêncio de um Adeus
Memória de uma Lua - Nadina Carvalho
Creio que se há um "talvez", não é propriamente um fim!
Será o renovar do espaço, a procura doutras saídas, o reencontro com o próprio ser!
Quanto ao Adeus, o silêncio pode ser a palavra de ordem, mas encontra-se o silêncio noutras palavras, tão frias e crúeis como o largar tudo e andar sem olhar para trás!

quarta-feira, junho 01, 2005

AGRESSÃO

"Quatro letras nos matam quatro facas
que no corpo me gravam o teu nome.
Quatro facas amor com que me matas
sem que eu mate esta sede e esta fome.
"
As facas - Manuel Alegre

Agora que o reli novamente, vejo que estava errada quando o analisei pela primeira vez.
Eu disse que o achava agressivo!!
O amor pode ser agressivo, por causa da tensão em que estamos!
Não admira que ele fale em "facas", que nunca "mate esta sede e esta fome"!
Está sempre a mudar, a descobrir facetas ocultas, perdidas e/ou esquecidas!
E, não, não estou a confundir com violência doméstica, porque aí há um vazio de sentimentos!

quarta-feira, maio 25, 2005

ALMA DE POETA

Eu quero amar, amar perdidamente!
Amar só por amar: Aqui...além...
Mais Este e Aquele, o Outro e toda a gente....
Amar!Amar! E não amar ninguém!

- AMAR de Florbela Espanca

Eis como a mana Cristina nos "acordava", interrompendo quem estudava calmamente.
Quando protestava, ela só dizia "Tu, Marta, não tens alma de poeta!" e saia, aborrecida com a sua pouca calorosa audiência.
Hoje em dia, este interesse é comum; partilhamos livros e mantemos discussões animadas sobre autores, antigos e modernos!
Que uma conhece e a outra não!
Que uma gosta e a outra não!

quarta-feira, maio 18, 2005

SINTONIA

"O tempo passa arrastado com você ao meu lado"

diz o refrão de uma canção brasileira.

Não me importo se o tempo parar quando estiver contigo, porque na tua ausência, lembrar-me-ei de tudo o que disseste e deixaste por dizer.
Por vezes, é assim - a sintonia entre nós é tão forte que o tempo nada significa.
É eterno!

sexta-feira, maio 13, 2005

FEBRE

Natércia Freire

Logo que nasci

Logo que nasci
Foi-me dada ordem
De me procurar
Logo assim e aqui
Não vou ter descanso
Em nenhum lugar

E não é essa a essência da Vida?
Procurarmo-nos e às vezes, nunca saberemos quem na realidade somos!
O mistério tem o seu quê de sedutor!!!!

terça-feira, maio 10, 2005

SEM IMPOR

Tu dormes embalado nos rochedos
E aos meus ouvidos vem falar o vento
Escuto, busco , chamo e não respondes,
E todo o mundo se tornou fantasma

Tu dormes - Sophia de Mello Breyner Anderson

Sei exactamente do que se trata, Sophia - ele também nunca me respondeu.
Ou quando respondeu, foi impor condições que eu não podia aceitar!
Creio que, quando se fala de amor, não se impõe nada - dá!
Por isso, optei por ficar só!

sexta-feira, maio 06, 2005

ESCREVINHAR

Escrever é procurar corresponder ainda que não se saiba a quê ou se esse quê existe.
A nossa liberdade nasce de uma incerteza radical e a sua metamorfose é a invenção de um espaço
de correspondências que visam uma esfera inviolável.
GÉNESE - António Ramos Rosa

Com uma caneta na mão, escrevemos tudo o que os olhos registam e o que pensamos que está escondido.
Encontramos novas definições sobre o que é verdadeiramente escrever - talvez seja mesmo a procura do Santo Graal!
Para mim, basta uma palavra para partir à descoberta, como Colombo, de um mundo novo, mas ainda não cheguei ao fim da minha viagem!
Nem sei se algum dia chegarei ao fim!

segunda-feira, maio 02, 2005

OBRIGADA

Escrevo não para saber mas para criar
um espaço de palavras que correspondem à ingenuidade da minha aspiração
que quer pisar um solo de claras pedras e vibrar
ao ritmo de uma duração monótona e solar
equivalente à hora e ao espirito do olvido e da ignorância aberta

GÉNESE - ANTÓNIO RAMOS ROSA

Escrever é realmente criar o nosso espelho, onde pomos a nú os nossos medos, as nossas esperanças!
Escrever é realmente vibrar com o que de melhor reina aqui, dentro do nosso coração, a flor do nosso riso e do tempo em que controlamos a nossa vida.
Obrigada por me explicarem isso!

sexta-feira, abril 29, 2005

MENSAGEM

DEVER DO POETA É CANTAR COM SEU POVO E DAR AO HOMEM O QUE É DO HOMEM:
SONHO E AMOR. LUZ E NOITE, RAZÃO E DESVARIO
PABLO NERUDA - Prólogo de Las Piedras de Chile

O meu dever, Neruda, se é que de dever devemos falar, antes prazer, é ler, apreciar e tentar encontrar a mensagem que escondeste!
Vou cantar contigo, vou sonhar e amar alguém, procurando o sol para me embelezar, entrar na noite para conhecer a razão e o desvario de que falas.
Não para ocultar os pecados, porque querer amar e ser amado não é pecado, nem é uma conquista!
Acontece apenas!

terça-feira, abril 26, 2005

VOLTAR A ESPERAR

E quando à tua frente se abrirem muitas estradas e não souberes a que hás-de escolher, não metas por uma ao acaso, senta-te e espera.
Respira com a mesma profunidade confiante com que respiraste no dia em que vieste ao mundo, e sem deixares que nada te distraia, espera e volta a esperar. Fica quieta, em silência, e ouve o teu coração.
Quando ele te falar, levanta-te, e vai para onde ele te levar.

- É o final do livro "Vai aonde te leva o coração" da Susanna Tamaro.
Um livro comovente e devo confessar que me meti numa estrada ao acaso e deparei com os meus próprios fantasmas, com problemas que já devia ter enfrentado e resolvido.
Pensava que tinha tempo, mas nunca se pode adiar o amanhã.
Como o ditado diz, ´"há males que vêm por bem".
Resolvi o que estava pendente, mas agora aprendi a sentar-me e a esperar.
Não é cobardia - é apenas concretizar uma certeza!

terça-feira, abril 19, 2005

ENRIQUECER COM O MUNDO

Não percas Ítaca de vista,
Pois chegar lá é o teu destino.
Mas não apresses os teus passos;
É melhor que a jornada demore muitos anos
E o teu barco só ancore na ilha
Quando já estiveres enriquecido com o
Que conheceste no caminho

Konstantinos Kvafis

Acho que nunca vou chegar a Ítaca - penso que ainda posso aprender mais, esculpir ainda mais as minhas ideias e a minha maneira de ver o mundo.
Ou talvez chegue a um lado diferente; talvez deixe um legado!
A quem não sei, mas isso pouco importa agora, pois quem me conhece, partilha comigo a riqueza do meu conhecimento!

quinta-feira, abril 14, 2005

PERFEITA

"Tive de a perder para entender que o sabor das coisas recuperadas é o mel mais doce que podemos experimentar."

do livro de Paulo Coelho - "O Zahir"
Li por alto o livro e sei que alguém desapareceu - é o ponto de partida para desenvolver a trama.
Escrevi a frase, porque achei ser a perfeita declaração de amor.
Só que a minha declaração de amor, que esperava ansiosamente, soube-me a fel e por vezes, ainda sinto o travo amargo na boca.
Como hoje, em que o vi e ele foi positivamente odioso!

segunda-feira, abril 11, 2005

BELEZA ESCONDIDA

ALEGRIA DESCONHECIDA
De súbito o prazer de sentir
o sol manso de Inverno
Caminhar suavamente no passeio
numa hora morta....
Francisco Duarte Mangas
Nada a acrescentar - apenas que é o que eu sinto quando caminho pelas ruas do Porto ou quando me escondo nos jardins do Palácio de Cristal para rever a vista magnífica que se tem do Rio Douro!

quinta-feira, abril 07, 2005

NA BRASILEIRA

Diogo Alcoforado
Na Brasileira escrevo: ou apenas construo
o meu silêncio no ruído entre os vidros, e
mármores, se lido espaço é a mesa que
extremas vozes não confundem

E quem é que não gosta de ler ou escrever, descansado numa mesa do Café?
Quem é que não gosta de ver o mundo passar e sentir que faz parte dele?
Eu gosto; até mesmo estando em silêncio!

segunda-feira, abril 04, 2005

VIVA O PORTO

Ao menos os teus olhos
permanecem verdes todo o ano
- Jorge de Sousa Braga - NOS SEMÁFOROS DA RUA SANTA CATARINA
Uma justa homenagem à cidade onde vivemos e que amamos profundamente - o Porto.
E a Rua Santa Catarina é o ponto central, onde toda a gente se encontra!
Um viva ao Porto!!!

sexta-feira, abril 01, 2005

FLORES EM CASA

  1. Só por dentro de ti rebentam flores.
    Só por dentro de ti a noite escuta
    O que sem voz me sai do coração”

    CASA – DAVID MOURÃO-FERREIRA

    É apenas uma parte deste poema, que se chama “CASA”.
    “CASA” é:

    o nosso jardim secreto, com os segredos dos nossos amores e frustrações
    a casa em si, onde temos o nosso quarto e os nossos livros
    a cidade, que acolhe a nossa vida, os nossos projectos

    Ou não sei se será mesmo aquela pessoa especial que vive dentro de nós, connosco e para nós.

    De qualquer forma, é sempre bom voltar a “CASA”.

segunda-feira, março 28, 2005

É NOSSO

Matéria lírica, a dor e o amor. Amados
Sofremos porque não somos bastante.
Melancolia, mal do Eu.
Nocturno nº 3 – Ana Marques Gastão
Não sei quem tu és, mas vou descobrir!
Encontrei este teu "nocturno" e escrevi-o no meu bloco, porque concordo contigo!
Achamos sempre que não somos amados o suficiente!
Mas o amor não nos deve sufocar; pelo contrário, o amor deve fazer com que o sol, a luz, as estrelas nunca desapareçam da nossa vida!
Seja de que forma for!
Porque continua a ser só nosso!

segunda-feira, março 21, 2005

CONFIAR NAS ESTRELAS

VERSOS DE ORGULHO - FLORBELA ESPANCA

O mundo quer-me mal, porque ninguém
Tem asas como eu tenho!
Porque Deus me fez nascer Princesa entre plebeus.
Numa torre de orgulho e de desdém!

Talvez porque quem de ti inveja tem, não sabe o que escondido em si tem!
Nunca se preocupou em saber se podia ultrapassar a barreira; contenta-se com uma vida vazia; não se enriqueceu!
Não procurou cavalgar as ondas ou brincar às escondidas com a luz e com o sol!
Pena que não tenhas encontrado, como eu, pessoas que apreciam
saber os segredos das estrelas e em quem elas confiam!!

terça-feira, março 15, 2005

SEM SABER PARA ONDE

Mendiga – Florbela Espanca

Na vida nada tenho e nada dou;
Eu ando a mendigar pelas estradas...
No silêncio das noites estreladas
Caminho sem saber para onde vou!
Fiz o que não devia, Florbela!
Mendiguei o amor de alguém e aprendi, da forma mais dura que não se deve fazer isso!
O amor dá-se, conquista-se, explora-se nas noites estreladas de que falas!
Mas não se pode mendigar - porque não é verdadeiro!
Apenas ficamos com falsas ilusões e depois, quando acaba, ficamos realmente sem saber para onde vamos!

TORTURA

FLORBELA ESPANCA – Neurastenia

Chuva... tenho tristeza! Mas porquê?
Vento...tenho saudades! Mas de quê?
Ò neve que destino triste o nosso!
Ó chuva! Ó vento! Ó neve!
Que tortura!
Gritem ao mundo inteiro esta amargura
Digam isto que sinto que eu não posso!!...
Como eu te entendo!
É realmente uma tortura ter que esconder a dor, Florbela!
Morte = libertação!
Mas, Florbela, eu não posso - eu tenho que ficar!
Os outros pouco importa o que pensam e o que dizem- mas, os meus Pais não!

segunda-feira, março 14, 2005

NADA

Reli novamente o poema da Florbela Espanca, “Em vão” e acho que as coisas só serão em vão se desistirmos!
Valorizamos o que não devemos e esquecemos que há outra gente que merece que se perca tempo com ela.
Eu perdi tempo com alguém, que não merece que eu o faça, porque olhando para trás, vejo que nada me deu em troca.
Ignorou-me (culpa minha ou não, não interessa) e a decisão que tomou, nada tem a ver comigo!
É triste ter que pensar assim; custa-me pensar assim, mas como diz o poema de Sophia:


Mas como sem os amigos
Sem a partilha o abraço a comunhão

Aqui não houve amizade; nem qualquer partilha – é apenas alguém que se conhece e a quem se diz olá do outro lado do passeio, sem parar!

terça-feira, março 08, 2005

TALVEZ

Há muito – Sophia de Mello Breyner Andresen

Há muito que deixei aquela praia
De grandes areais e grandes vagas
Mas sou eu ainda quem na brisa respira
E é por mim que espera cintilando a maré vaza.
- ANTOLOGIA "O MAR" -

Encontrei novo poema sobre o mar, a que estou profundamente ligada.
Talvez seja uma das razões porque gosto tanto dos poemas de Sophia!
Talvez uma outra razão seja porque com os poemas dela começei a perceber e a amar a poesia!
Talvez porque as imagens que propaga me façam pensar e rever as minhas próprias imagens, descobrindo assim novos horizontes e novos poemas!!
Talvez porque aquela sensação de "quente" de que falo (http://amartaeeu,blogspot.com) me invade sempre que abro um livro dela!

segunda-feira, março 07, 2005

A BELEZA DA NOSSA VIDA

EUGÉNIO DE CASTRO

Procuremos somente a beleza, que a vida,
É um punhado infantil de areia ressequida,
Um som de água ou de bronze e uma
Sombra que passa

Á procura de versos de Florbela, encontrei este. Não conheço muito bem este poeta, devo confessar, mas identifiquei-me logo com o poema.
A beleza está em todo lado; basta procurar!
Pode demorar um minuto;
pode demorar a vida inteira para se compreender verdadeiramente o que é a beleza!
Dos sonhos, da paixão, do amor, do carinho - enfim, tudo aquilo que devemos agarrar e proteger como se tratasse de um tesouro!
Porque é a nossa vida!

quinta-feira, março 03, 2005

VAGABUNDA

Em vão – Florbela Espanca

Passo triste na vida e triste sou,
Um pobre a quem jamais quiseram bem!
Um caminhante exausto que passou,
Que não diz onde vai nem donde vem!
Às vezes, penso que não devia ler os versos dela, pois os sentimentos que me desperta são de tal forma fortes que choro dias a fio! Identifico-me plenamente com o que diz, pois neste momento, sinto-me uma vagabunda sem eira nem beira!
Não estou bem em lugar algum - mas o mais curioso de tudo, é que não me sinto só!

segunda-feira, fevereiro 28, 2005

INIMIGO OU NÃO

Dizem que o tempo é o nosso pior inimigo.
Não sei; às vezes, é um bom conselheiro, mas eis o que Sophia de Mello Breyner Andersen tem a dizer sobre ele:
TEMPO - LIVRO SEXTO
Tempo
Tempo sem amor e sem demora
Que de mim me despe pelos caminhos fora

A BELEZA DA MANHÃ

Manhã
Como um fruto que mostra
Aberto pelo meio
A frescura do centro
Assim é a manhã
Dentro da qual eu entro
Sophia de Mello Breyner Andersen - Livro Sexto

Também eu gosto da manhã, daqueles minutos em que se abre as cortinadas, a janela e se deixa o ar entrar para reciclar os cheiros da noite.
Pertence-me; a mais ninguém!
Depois, Deus decide o resto!

quinta-feira, fevereiro 24, 2005

COMPLICADA

Mário Benedetti (Uruguai) – Bem-Vinda

Ocorre-me que vais chegar distinta
Não exactamente mais linda
Nem mais forte
Nem mais dócil
Nem mais cauta
Somente que vais chegar distinta
Como se esta temporada de não me veres
Te tivesse surpreendido a ti também
Talvez porque sabes como te penso e te enumero

Achei curioso este poema, pois está inserido num livro dedicado só a poemas sobre mulheres.

Mulheres!
Palavra sempre nos lábios de quem nos faz a corte, nos desdenha ou simplesmente brinca connosco!
Seremos assim tão complicadas como eles dizem, não sei se por brincadeira?

Eu não me acho nada complicada - indecisa, talvez, mas nunca complicada!
Temos um papel, por vezes ingrato, mas alguém tem que desempenhar o papel de advogado do diabo!

terça-feira, fevereiro 22, 2005

BELEZA E PAIXÃO

SOPHIA DE MELLO BREYNER – Livro “A Musa”

ONDAS

Onde – ondas – mais belos cavalos
Do que estas ondas que vós sois?
Onde mais bela curva do pescoço
Onde mais bela crina sacudida
Ou impetuoso arfar no mar imenso
Onde tão ébrio amor em vasta praia?
Novamente o mar, as ondas que ela compara a cavalos. Um quadro fácil de pintar, ilustra o que deve ser a nossa vida
Cavalo - simbolo de liberdade, de paixão, de beleza, de força!

segunda-feira, fevereiro 21, 2005

ESTRELA DO MAR

OS AMIGOS - SOPHIA DE MELLO BREYNER – Livro “A Musa”

Voltar ali onde a verde rebentação da vaga
A espuma o nevoeiro o horizonte a praia
Guardam intacta impetuosa
Juventude antiga –
Mas como sem os amigos
Sem a partilha o abraço a comunhão
Respirar o cheiro a alga da maresia
E colher a estrela do mar em minha mão

Creio que a estela do mar se torna mais preciosa, porque é um tributo a um amigo, que já não está cá!
Quem sabe se não ele não se terá transformado nessa estrela do mar?
Quem sabe se não é ele a espuma do mar, a vaga que "esmaga" a areia e afunda os nossos pés?

sexta-feira, fevereiro 18, 2005

NADA A DIZER

SE EU FOSSE APENAS

Se eu fosse apenas uma rosa
Com que prazer me desfolhava
Já que a vida é tão dolorosa
E não te sei dizer mais nada
CECÍLIA MEIRELES

Infelizmente, não somos rosas, não duramos apenas um momento; duramos muito mais e é por isso, que a vida se torna dolorosa!
Às vezes, vivemos mais do que devemos e tornamo-nos um "fardo", a quem, por vezes, ninguém liga!
Por isso, realmente não há mais nada a dizer!

quinta-feira, fevereiro 17, 2005

O MEU MONÓLOGO

CECÍLIA MEIRELES
"
MONÓLOGO

Para onde vão minhas palavras
Se já não me escutas?
Para onde iriam quando me escutavas?
E quando me escutaste? – Nunca
"

É a pergunta que faço.
Muitas vezes!
As pessoas tem a mania de interromper, de não deixarem que se exponha a ideia!
Antes, fica calada e os outros convenciam-se que tinham ganho a partida.
Contudo, um dia disse, calma, mas firme "Deixas-me acabar? Eu ainda não disse tudo!"
Não sei se venci; mas ainda hoje, tenho aquela impressão de que não me estão a escutar!
É muito mais fácil dialogar com o nosso próprio ser, embora nem sempre seja saudável!

terça-feira, fevereiro 15, 2005

COM O MAR

SOPHIA DE MELLO BREYNER

DIA DO MAR

A minha esperança mora
No vento e nas sereias –
É o azul fantástico da aurora
E o lírio da areia


Escolhi novamente um poema sobre o mar, pois tal como para Sophia de Mello Breyner o mar significa tudo para mim.
Por isso, gostaria que me enviassem os poemas ou textos dos vossos autores favoritos para eu publicar aqui, com o vosso nome e endereço do blog.
O mar........é o meu confessor, o meu amigo silencioso, a única coisa constante nesta minha vida atribulada.

Nota:
Os poemas serão publicados aqui.
Os textos no meu outro blog: http://amartaeeu.blogspot.com

segunda-feira, fevereiro 14, 2005

FALAR EM TRISTEZA

Voltei a escolher um poema de :

PABLO NERUDA – CREPUSCULARIO
"
Fui teu, foste minha.
Tu serás de quem te ame,
Do que corte em teu horto aquilo que eu plantei.

Eu me vou. Estou triste, mas eu estou sempre triste.
Eu venho dos teus braços. Não sei para onde vou.
........
"
Não está completo, pois apenas escrevi a parte com que me identifiquei.
Dizem os outros que estou sempre triste e não nego que, às vezes não sei para onde vou!
Tal como Pablo!
Estes versos tanto podem falar duma mulher que ele deixou ou da Pátria que o obrigou a sair!
Inclino-me mais para que seja de uma mulher, porque nunca deixamos de amar a nossa Pátria e de procurar as nossas raízes.
Aqui no nosso próprio País ou algures nesse mundo!
Saudade que nos mata de frio e de desgosto!

sexta-feira, fevereiro 11, 2005

ILUSÃO OU NÃO

"Se desejas tanto a liberdade e a felicidade,
porque não vês que trazes ambas dentro de ti?
Diz que são tuas e tê-las-às.
Age como se fossem tuas e sê-lo-ão.
"

Richard Bach - do livro "Ilusões"

Será mesmo uma ilusão?
Não, somos nós que damos forma à vida e só o podemos fazer enquanto respeitarmos as regras da sociedade!
Doutra forma, reinaria a anarquia e isso não teria qualquer lógica!
A minha liberdade é saber que os meus blogs são a raiz do meu ser!
A minha felicidade é sentir que estou realizada como pessoa, porque os meus blogs permitiram-me ultrapassar barreiras que nunca me esforçei para as combater!

quinta-feira, fevereiro 10, 2005

VIVER EM PAZ COM O MAR

"As ondas quebravam uma a uma
Eu estava só com a areia e a espuma
Do mar que cantava só para mim
"
Dia do Mar - Sophia de Mello Breyner
Mergulhamos numa paz, numa calma que não é fácil descrever quando olhamos para o mar!
Perdemos a noção de tudo quando se olha para o mar!
Tão poderoso e tão frágil tal como nós!
Estamos unidos por laços, por desejos, por amor!
Nada se compara à tranquilidade que o mar comunica nos dias calmos e solarengos!

sexta-feira, fevereiro 04, 2005

UM LAMENTO

"Amo o amor que se reparte
em beijos, leite e pão.
Amor que pode ser eterno
mas pode ser fugaz.
Amor que se quer libertar
para seguir amando
Amor divinizado que vem vindo
Amor divinizado que se vai.
"
Crepusculario - Pablo Neruda

Traduz tudo o que tenho cá dentro, fechado, à espera que, mais uma vez, alguém mo liberte.
Desta vez, espero que seja eterno!
Que não seja apenas e apenas um lamento!
Não o suportaria!
Não tenho forças para ter outra desilusão tão forte, tão perversa!

quinta-feira, fevereiro 03, 2005

GUERRA OU NÃO

Epigrama nº 10
"A minha vida se resume,
desconhecida e transitória,
em contornar o teu pensamento,
sem levar dessa trajectória
nem esse prémio de perfume
que as flores concedem ao vento"
da Viagem - Cecília Meireles

Foi tudo o que recebi de ti - nada, simplesmente nada!
Já reparaste que nem amigos ficamos?
Apenas nos suportamos; tu ainda me ocupas o pensamento, porque o teu impacto na minha vida foi grande.
Quem perdeu e quem ganhou?
Ninguém - o amor não é uma guerra - existe simplesmente!!

segunda-feira, janeiro 31, 2005

EXILADA

"Prefiro que não, amada.
Para que nada nos amarre
e que nada nos una.
Nem a palavra que aromou tua boca,
nem o que disseram as palavras.
Nem a festa de amor que não tivemos,
nem teus soluços perto da janela.
Amo o amor dos marinheiros
que beijam e se vão.
Deixam uma promessa.
Não voltam nunca mais.
Em cada porto uma mulher espera:
Os marinheiros que beijam e se vão
Uma noite se deitam com a morte
no leito do mar"
Pablo Neruda - Crepusculario

Como deve ser duro estar-se exilado, saber-se que lá do outro lado do oceano fica a nossa terra e que temos o acesso vedado!
Talvez seja por isso que ele se compara aos marinheiros - a sua lealdade é para com o mar, mesmo que este lhes roube a vida!
Hoje, sinto - me exilada.
Estou no meu próprio País, onde nasci e criei raízes e sinto-me exilada.
Creio que foi a Florbela Espanca que falou nessa dor .... eu hoje identifico-me com ela!!

quinta-feira, janeiro 27, 2005

UMA DECLARAÇÃO DE AMOR

Reli novamente o poema de Vinicius " Ausência" e ele fala em

nada te poderei dar se não a mágoa de me veres
eternamente exausto”

Talvez ele se sinta cansado, velho, doente e porque a ama, quer poupá-la à dor de o ver sofrer.
Talvez ache que ela deva recomeçar a vida onde a deixou quando o encontrou!

Talvez seja tudo ou apenas e só isso – uma declaração de amor!

quarta-feira, janeiro 26, 2005

DEIXAR MORRER

"Eu deixarei que morra em mim o desejo de amar os teus olhos
que são doces
Porque nada te poderei dar se não a mágoa de me veres
eternamente exausto"
- Ausência de Vinicius de Moraes

Às vezes, é o que temos que fazer - deixar morrer em nós esse amor que não conquistamos, que nos desiludiu!
Fica sempre a mágoa e a dúvida - aquela eterna pergunta se tudo seria diferente se tivessemos agido doutra forma.
Mas eu aprendi que nunca devemos deixar de ser o que somos - tu não me aceitaste como tal e por isso, que podia eu fazer?

segunda-feira, janeiro 24, 2005

UM SORRISO, UMA IDEIA DE FELICIDADE

"Tristeza não tem fim
Felicidade, sim...
A Felicidade é como a pluma
Que o vento vai levando pelo ar
Voa tão leve
Mas tem a vida breve
Precisa que haja vento
Sem parar"
Vinicius de Moraes - excerto do poema "A Felicidade"

É como a areia,
a onda que brinca com os nossos pés - a próxima pode ser uma surpresa, ser mais violenta, arrancar-nos até a vida!
Mas a felicidade é, e continuará a ser sempre, algo, e emprego a palavra "algo", porque não é palpável, que recordaremos com um sorriso, talvez um pouco triste, mas um sorriso!

quinta-feira, janeiro 20, 2005

MOTIVO

"
Eu canto porque o instante existe
e a minha vida está completa.
Não sou alegre nem sou triste:
Sou poeta.

"
Um pequeno excerto do poema "Motivo" de Cecília Meireles, que escolhi porque hoje não estou de "luto".
Quero dizer, sinto-me "completa".
Não é que esteja a viver uma grande paixão, integrada num grande projecto ou a planear uma viagem exótica.
Nada disso!
Estou apenas a ser eu - calma, confiante e com esperança!!!

segunda-feira, janeiro 17, 2005

5 LETRAS

"Amo-te". Cinco letras pequeninas,
Folhas leves e tenras de boninas.
Um poema d'Amor e felicidade!
Não queres mandar-me esta palavra apenas?
Olha, manda então..brandas...serenas
Cinco pétalas roxas de saudade.."
do poema da Florbela Espanca, "Escreve-me"
Foi o que sempre esperei e o que nunca disseste!
Nem uma rosa ou um bombom me ofereceste!
Apenas dor.....porque nem honesto foste!
Continuo sem decidir se te devo odiar ou simplesmente ignorar!!
Porque nunca vou esquecer esta dor!

sexta-feira, janeiro 14, 2005

PROFUNDO

Doces ilusões sobre o amor!
Doces sonhos!
Mas mente quem diz que nunca sonhou com um amor assim!
Profundo!
Em que desejamos ser cavaleiros andantes
para que todos saibam como amamos!
Que usamos o amor como troféu!
Como resposta a tudo!
Mas... o pior de tudo é o mas!

ESQUECIMENTO

Aqui estou eu, baralhada de novo!
Já não sei quem é a criança mimada aqui! Eu não sou obrigada a fazer o que tu queres!
Tenho direitos, responsabilidades, sonhos, que posso ou não partilhar contigo ou com outro pessoa.
Não quero viver a minha vida nesses moldes - a vida não pode ser uma ameaça perpétua!
Lembro-me dum certo excerto do poema "Discurso" de Cecília Meireles, que descobri recentemente:

"Se eu nem sei onde estou,
como posso esperar que algum ouvido me escute?
Ah! Se eu nem sei quem sou,
como posso esperar que venha alguém gostar de mim?
"
Deixa-me em paz; EU SOU UMA PESSOA!
Nunca, mas nunca te esqueças disso!