terça-feira, março 15, 2005

SEM SABER PARA ONDE

Mendiga – Florbela Espanca

Na vida nada tenho e nada dou;
Eu ando a mendigar pelas estradas...
No silêncio das noites estreladas
Caminho sem saber para onde vou!
Fiz o que não devia, Florbela!
Mendiguei o amor de alguém e aprendi, da forma mais dura que não se deve fazer isso!
O amor dá-se, conquista-se, explora-se nas noites estreladas de que falas!
Mas não se pode mendigar - porque não é verdadeiro!
Apenas ficamos com falsas ilusões e depois, quando acaba, ficamos realmente sem saber para onde vamos!

2 comentários:

Carmem L Vilanova disse...

Marta querida!
Desculpe-me a ausência, pois sim, foi forçada.
Estive quase uma semana sem computador e quase enlouqueci de saudades de vós a que já considero amigos de verdade!
Fico feliz em poder voltar!
Muitos beijinhos, querida amiga!

Carmem L Vilanova disse...

Marta querida!
Relendo melhor este teu texto, refleti e devo dizer-te que em algo discordo de ti, quando dizes que hás mendigado por um amor... Amiga, a vida me ensinou, também a duras penas, que o amor, quando é mesmo AMOR, assim com todas maiúsculas, por ser verdadeiro, nao exige de ti que mendigues por nada... nunca! Se em algum momento isso te passou, é porque, amiga, nao era um amor verdadeiro, ou verdadeiramente belo, puro e sincero, como o que estou segura, mereces!
Recebe um beijo carinhoso e o desejo de que estejas sentindo-te melhor e que tenhas um lindo fim de semana!