segunda-feira, dezembro 08, 2008

OLHAR O MAR

Olha as ondas,



Espuma



E algas.



Regarde la mer.






Olha as rochas,



Gaivotas



E conchas.



Regarde la mer.






Olha as ostras,



Estrelas



E corais.



Regarde la mer






Olha o nosso amor,



Perdido na fúria



Esquecido nas ondas.



Regarde la mer.






Reflexo do céu



Na areia molhada,



Teus passos marcados



No chão da saudade.



Regarde la mer.

Bill Stein Husenbar (blog:
http://www.desabafos-solitarios.blogspot.com)


O meu comentário???


"Look at the sea"....

Não penses nesse amor que se perdeu por entre as rochas....

Arrastado pela espuma que brinca com os teus pés....

Sente essa espuma...

Deixa que ela desenhe os teus pés na areia.....

As ondas toquem a tua pele....

O mar é uma constante.....

Conhece-o....

As cores.....as fúrias.....os sorrisos.....

"Regarder la mer"....

Apaziguar a alma.......
=======
Nota: Pedi aos meus comentadores que me enviassem poemas da sua autoria, ou do seu poeta favorito para eu comentar...
O tema terá que ser o "Mar"..
Obrigada, Bill...

7 comentários:

MADRUGADA... disse...

Savoir fair.

FERNANDA & POEMAS disse...

Olá querida Marta...

O poema é belíssimo...Parabéns para o Bill e para ti Amiga!...

Beijinhos de carinho e ternura,
Fernandinha

ematejoca disse...

Foi pena, Marta, que nao me pedisse a mim.
Adoro estes desafios.

Saudacoes de Düsseldorf!

BC disse...

Viva Marta, desculpa só agora vir, responder ao teu pedido da poesia.
Podes levar, eu gosto especialmente de uma das últimas que fiz "Sonho", está publicada no blog.
é só veres do lado direito, agora não tenho a certeza do dia, mas posso ver e já te digo.
Beijo
Isabel

BC disse...

Marta, já vi foi publicada no dia 11 de Novembro.
Se preferires outra eu depois digo-te.
jOCAS
Isabel

ematejoca disse...

Meu País de Marinheiros
de António Nobre

Georges! anda ver meu país de Marinheiros,
O meu país das naus, de esquadras e de frotas!

Oh as lanchas dos poveiros
A saírem a barra, entre ondas de gaivotas!
Que estranho é!
Fincam o remo na água, até que o remo torça,
À espera de maré,
Que não tarda aí, avista-se lá fora!
E quando a onda vem, fincando-a com toda a forca,
Clamam todas à urra: «Agora! agora! agora!»
E, a pouco e pouco, as lanchas vão saindo
(Às vezes, sabe Deus, para não mais entrar...)
Que vista admirável! Que lindo! Que lindo!
Içam a vela, quando já têm mar:
Dá-lhes o Vento e todas, à porfia,
Lá vão soberbas, sob um céu sem manchas,
Rosário de velas, que o vento desfia,
A rezar, a rezar a Ladainha das Lanchas:

Senhora Nagonia!

Olha acolá!
Que linda vai com seu erro de ortografia...
Quem me dera ir lá!

Senhora Daguarda!

(Ao leme vai o Mestre Zé da Leonor)
Parece uma gaivota: aponta-lhe a espingarda
O caçador!

Senhora d'ajuda!
Ora pro nobis!
Caluda!
Semos probes!

Senhor dos ramos
Istrela do mar!
Cá bamos!

Parecem Nossa Senhora, a andar.

Senhora da Luz!

Parece o Farol...
Maim de Jesus!

É tal e qual ela, se lhe dá o sol!

Senhor dos Passos!
Sinhora da Ora!

Águias a voar, pelo mar dentro dos espaços
Parecem ermidas caiadas por fora...

Senhor dos Navegantes!
Senhor de Matosinhos!

Os mestres ainda são os mesmos dantes -
Lá vai o Bernardo da Silva do Mar,
A mailos quatro filhinhos,
Vasco da Gama, que andam a ensaiar...

Senhora dos aflitos!
Mártir São Sebastião!
Ouvi os nossos gritos!
Deus nos leve pela mão!
Bamos em paz!

O lanchas, Deus vos leve pela mão!
Ide em paz!

Ainda lá vejo o Zé da Clara, os Remelgados,
O Jeques, o Pardal, na Nam te perdes,
E das vagas, aos ritmos cadenciados,
As lanchas vão traçando, à flor das águas verdes,
«As armas e os varões assinalados...»

Lá sai a derradeira!
Ainda agarra as que vão na dianteira,..
Como ela corre! com que força o Vento a impele:

Vamos com Deus!

Lanchas, ide com Deus! ide e voltai com Ele
Por esse mar de Cristo...
Adeus! adeus! adeus!

Obrigada, Marta

Bill Stein Husenbar disse...

Nesta época natalicia, desejo um Feliz Natal recheado de momentos bons e e inesqueciveis na companhia dos que mais ama. Que a alegria e a esperança s espalhe e se concretizem no coração de cada um de nós.

http://desabafos-solitarios.blogspot.com/