sábado, dezembro 13, 2008

MOMENTOS AZUIS


O AZUL DO MAR

Sempre a fantasiar, sonhar, eu vou...
E para onde, Amor? Inda não sei...
Quimera, fantasia, amor eu sou!
Fresco orvalho, um encanto mago eu dei...

Irei talvez vogar no que passou...
Recordar muitos sonhos que calei!
Viver, sem desdenhar, o que restou,
Votar ao esquecimento o que penei!

Virás comigo ao entardecer
Num sereno e suave enlanguescer
Beber o pôr do Sol e o azul do mar?

Vem! Já mergulha o Sol no Oceano!
Suave, ao longe, o toque dum piano
Que nos enleva e faz extasiar!

Fernanda Costa (blog Fernanda & Poemas)




O meu comentário???


Sentada na areia a ver o pôr-do-sol???


Pensar na música favorita???


Ser-se sereia....


Com conchas no cabelo e algas como colar....


Ou simplesmente.....


Estender-te os braços e sentir-te.....


Bem encostado ao meu peito...


Seguir o voo das gaivotas....


Escrever nos últimos raios de sol....

Tranquilamente...

Tudo o que estamos a viver....

Ali......

Naquele momento mágico....

Em que tudo fica azul.....

7 comentários:

FERNANDA & POEMAS disse...

Olá querida Marta, que dizer ?
Disses-te tudo neste maravilhoso comentário... Adorei Amiga!...
Beijinhos de carinho e ternura,
Fernandinha

daniel milagre disse...

Marta

Um belo poema da Fernanda! Comentas com outro muito interessate,
Beijinho,
Daniel

Fernando Santos (Chana) disse...

Olá Marta, dois belos poemas...Espectacular...
Beijos

BC disse...

Muito bonito este poema da Fernanda e o teu comentário sempre com muita exatidão nas palavras que escreves.
Beijos
Isabel

daniel milagre disse...

Marta

Fico, realmente agradecido, honrado mesmo.
Tenho vinda a apreciar a maneira, como te propôes comentar bons poemas. Sempre me pareceu bem, aqui será mais difícil, mas!...
Como o tema é o mar, escolhi um que me pareceu adequado. Nada como deixá-lo aqui à tua disposição.

SENHORA DA BOA VIAGEM

Na varanda marquei Peniche e Berlenga
Posso parecer tolinho alucinado
Explico, haverá quem entenda
Se o vento sopra do norte
Olha-se a ilha levanta-se a tenda
Não chove, vê-se longe a Berlenga
No campo semeia-se o trigo
A ausência de chuva não será lenda
Do rural campo vem o pão
Do mar da vila o peixe
Depois vem o Verão
Todos em festa agradecem a Deus
Da Senhora da Boa Viagem a intercessão
Junto ao mar, no Alto da Vela
Ali à beira o gozo e a diversão
Festa e folia, pois então
No alto mar passará a procissão
Nos barcos, muitos vamos entrar
Fazer a viagem de adoração
Olhem-nos todos engalanados!...
Flâmulas e miríades de luzes
Nas águas reflectem um vistão
Seguem perfilados, passando o Carvoeiro
A meio percurso da Berlenga
Viram, como apontassem à Consolação
Num segue o andor com a Senhora
Ali vai Soberana, como protectora
Num outro a banda, tocando
Fazendo solene a ocasião
Já no cais a apoteose, com grande animação
Fogo de vista aquático e a emoção
Embevecida a Senhora da Boa Viagem
Também preside e pensará:
Adora-me este povão!...

Daniel Costa

pin gente disse...

mergulharei sem qualquer medo

bonito e muito doce


beijos a ambas
luísa

Naty disse...

Ola boa noite passei par te deixar um bjs e dizer-te que voltei aproveito para te desejar um feliz Natal bjs naty