sexta-feira, novembro 28, 2008

COM MEDO

Queria eu dizer...


Queria eu dizer que muitos
tiros ouvidos, muitos medos,
que muitos lumes acesos
entram também neste saco.

Que arrasto o quê, me arrasto,
ínfimo caracol da mata
talvez útil mas só no dia
em que nele tropeçardes.

Escrevo Zala, Nambuangongo,
e penso: é um grito alto.
Queria eu dizer que há coisas
com que vos não maçais.



"Queria eu dizer" de Fernando Assis Pacheco


O meu comentário????


A vida é feita de tudo...


Lama, sangue, tiros e gritos...


Há Guerras...


Há Medo...


Há Sol...também...


Há Alegria....


Coisas positivas que devemos salvaguardar....


Para que não se viva só no e com Medo......

6 comentários:

Je Vois la Vie en Vert disse...

E não arrastar o nosso passado atrás de nós...

Bisous verts, chère Marta !

Pierrot disse...

Até porque, já lia noutro dia nem sei bem aonde, que o medo está demasiado próximo do ódio...
Bjos daqui
Pierrot

Sol da meia noite disse...

O medo bloqueia.
Mas a vida não é só feita de medos. É feita de muitas coisas boas que têm o poder de anular os medos.

Beijinho *
:-)

daniel disse...

Marta

É isso, quem passasse por Nambuangongo nessa alura, a que deu azo ao poema como, eu passei, não comentaria melhor. De facto passei por várias vezes na vila, na altura só de militares, muitos militares, quando o Assis Pacheco lá se encontrava. Porém, só o vim a conhecer anos depois.
Nambuangogo, viajou bastante através da caneta do jornalista.
Beijos,
Daniel

FERNANDA & POEMAS disse...

Olá querida Marta, adorei o poema e o teu comentário muito verdadeiro, não viver no medo e com ele... Lindo Amiga!
Beijinhos de carinho e ternura,
Fernandinha

Entre "aspas" disse...

A vida é feita de tudo,alegrias,tristezas,dis muito cinzentos,enquanto outros muito brilhantes,mas é com esses tons que aprendo a navegar e cruzar novos mares....
Bjs Zita