segunda-feira, novembro 17, 2008

EM TI

Palavra que desnudo


Entre a asa e o voo
nos trocámos
como a doçura e o fruto
nos unimos
num mesmo corpo de cinza
nos consumimos
e por isso
quando te recordo
percorro a imperceptível
fronteira do meu corpo
e sangro
nos teus flancos doloridos
Tu és o encoberto lado
da palavra que desnudo






Mia Couto











O meu comentário???







Quando te recordo...







Percorro as memórias...







Os beijos quentes...







Os suspiros e os desejos...







Em palavras deliciosas....







Que voam na pele....







...........reencontram-se na minha vontade....







De te amar e voar em ti............



6 comentários:

Bill Stein Husenbar disse...

Excelente post.

http://desabafos-solitarios.blogspot.com/

FERNANDA & POEMAS disse...

Olá querida Marta, adorei a postagem... uma bela noite... Beijinhos de carinho,
Fernandinha

Sol da meia noite disse...

Quando desnudamos palavras, vestimo-nos com as roupagens dos momentos... sentimos que lembranças nos aconchegam...

Beijinho *
:-)

Alexandre disse...

Mia Couto consegue ir buscar palavras que soam como a corrente cristalina de uma ribeira...

Nilson Barcelli disse...

Sinceramente não sei de qual poema gosto mais, se do Mia Couto se do teu.
São ambos excelentes poemas.
Faço apenas um reparo (de amigo): o poema ganha mais força (porque é melhor entendido) se for visível apenas num ecran. Mas a opção estética é tua...
Beijinhos

BC disse...

Ainda há bem pouco tempo estive a ler, ou reler um livro de Mia Couto.
Interessante
Beijocas
Isabel