sexta-feira, dezembro 19, 2008

LIVRE

O QUE SERÁ DO VENTO ...






O que será do vento





Que sussurra na vidraça





E tacteia um movimento





Como num estado de graça!






O que será do vento





Que sopra nos caminhos,





Que me leva o pensamento





E me traz os teus carinhos!






O que será do vento





Nas manhãs enevoadas,





Que faz de cada momento





O Sol das madrugadas!






O que será do vento





Que se enleia nas palavras,





Será mais que um sentimento,





Será seara que tu lavras?










de Alex Gandum do Blog "O Meu Sofá Amarelo










O meu comentário???



Não, acompanhará o mar nas suas viagens...



Regressará um herói....



Nunca ouviremos falar das suas conquistas....



Apenas de lendas....



Porque o vento é irreverente...



Torna-se o amante de todas, mas é um egoísta...



Foge ao primeiro sinal de que o querem prender....



Não sei o que acontecerá ao vento....



Escreverá a sua própria história nesse mar....


De que tanto troça.....


E continuará livre........

7 comentários:

Sofá Amarelo disse...

Obrigado, Marta! E apetece-me acrescentar: o que seria de nós som o vento, sem a brisa, sem as sensações na alma que o vento provoca? O vento é sinónimo de irreverência, de movimento e é imprescindível à Vida!!!

Muitos beijinhos, Marta! Obrigado!!!

Je Vois la Vie en Vert disse...

Querida Marta,

Gostava muito de beber um chazinho contigo porque moro nos arredores de Lisboa mas estarei contigo em pensamento com sinceridade e pronta a ouvir-te se precisares.

Bisous verts de la couleur de l'espérance, comme tu le dis bien.

pin gente disse...

eu gosto de sentir o vento... é bom quando me beija o rosto!

abraço

daniel milagre disse...

Martas

Acabas sempre por ter um mote, para construires boa poesia.





Beijos,
Daniel

Bill Stein Husenbar disse...

Maravilhoso.

http://desabafos-solitarios.blogspot.com/

Fernando Santos (Chana) disse...

Olá Marta, belo poema...Excelente comentário...
Beijos

Cadinho RoCo disse...

O vento passa por definição e outra e segue transparente rumo ao mar de transparência ainda mais misteriosa.
Cadinho RoCo