sexta-feira, junho 13, 2008

LIMITES

Não só quem nos odeia ou nos inveja



Nos limita e oprime; quem nos ama



Não menos nos limita.



Que os deuses me concedam que, despido



De afetos, tenha a fria liberdade



Dos píncaros sem nada.



Quem quer pouco, tem tudo; quem quer nada



É livre; quem não tem, e não deseja,



Homem, é igual aos deuses.





Não só quem nos odeia ou nos inveja - de Ricardo Reis

O meu comentário???



Deuses??? Não o somos...

Amar verdadeiramente.....uma prisão???

Não....

Se tal acontecer, não é amor...

É confundir amor com obsessão....

Um outro tipo de inveja e de ódio....

Porque as palavras adquirem valores,

......conotações diferentes....

E limita-nos realmente............

5 comentários:

RENARD disse...

Marta:

Será que é mais uma coincidência me parecer que este poema foi postado para me por a pensar? Hum...

Respondo-lhe com:

"Não confundas o amor com o delírio da posse, que acarreta os piores sofrimentos. Porque, contrariamente à opinião comum, o amor não faz sofrer. O instinto de propriedade, que é o contrário do amor, esse é que faz sofrer. (...) Eu sei assim reconhecer aquele que ama verdadeiramente: é que ele não pode ser prejudicado. O amor verdadeiro começa lá onde não se espera mais nada em troca."

(Antoine de Saint-Exupéry, in 'Cidadela')

Obrigada pelo chá! Tem-me feito muito bem porque como é anti-oxidante, desenferruja!!!

Beijinho minha linda

Sol da meia noite disse...

Liberdade... como e quando nos sentimos livres... Discutível!!!
Agora, se sombra de dúvida, amor que oprime, amor não é...

Bj *

Zé Carlos disse...

Marta, este é um blog perfeito....
Bjs do Zé Carlos

BC disse...

Não vou escrever muito, também acho que o amor não é amor quando se transforma numa obssessão doentia.
Sorrisos da minha cidade...

tufa tau disse...

concordo contigo

um verdadeiro amor é puro, nunca oprime
se tu me tens amor e eu a ti
a transparência existe só por si
e o nosso olhar mistura-se, sublime


abraço