domingo, outubro 24, 2010

QUE DIZER???

O alecrim incendiou-se de aromas
nas vertentes da serra
e contagiou a giesta, o mirto e o rosmaninho.
Aderiu à pele dos que traziam no corpo
a violência do fogo.
Se mais desordem houvera,
mais desenfreado se tornaria
o cavalo alado galopando prazeres.
Como dizer o rio que não coube
no extâse de ser apenas água,
mas uma torrente imensa
a rebentar nos poros dos amantes?

Enviado por Graça Pires (Blog "Ortografia do Olhar)

O meu comentário???
O que dizer na verdade??
Quando nos sentimos invadidos,
conquistados,
esmagados
pelo prazer??
Intensificando os aromas,
libertando-se da pele
e recriando-se no ar...
Nesse gemido sonolento
de quem se amou febrilmente.
E se deixa agora embalar pelo rio
que desafia
a sua própria fúria.
Acalma-se....

Nota: o 1º poema que recebi em resposta ao
desafio do post anterior.
Obrigada, Graça

6 comentários:

Graça Pires disse...

Obrigada, Marta. O teu comentário é um poema muito bonito. Um grande beijo.

Silviah Carvalho disse...

Muito lindo o poema, gostei muito do seu blog, já sigo, parabéns

http://umcoracaoqueamam.blogspot.com

JORDAS disse...

Como eu gosto da serra e do seu cheiro primordial, rasgado pelo fresco rio do prazer de estar lá.

Daniel Costa disse...

Marta

Aqui estão dois belos poemas. Tanto tu como a Graça estão de parabéns.
Apreciei ambos.
Beijos

JPD disse...

O olfacto é um dos sentidos magníficos por tratar de resolver a questão da proximidade/distância, ajudando a soberana visão.

A proposta desafiadora é excelente.
A réplica está a contento.

Eis um blogues em pleno.
Bjs, Marta;
Bjs Ortografia do Olhar

G I L B E R T O disse...

Marta

POema cheio de intensidade!

TRanspira-se ele abundantemente!


Parabéns pelo teu trabalho!

gilberto (nel mezzo del cammim)