segunda-feira, setembro 19, 2011

VESTIR

Quero-te, como se fosses

a presa indiferente, a mais obscura

das amantes. Quero o teu rosto

de brancos cansaços, as tuas mãos

que hesitam, cada uma das palavras

que sem querer me deste. Quero

que me lembres e esqueças como eu

te lembro e esqueço; num fundo

preto e branco, despida como

a neve matinal se despe da noite,

fria, luminosa,

voz incerta de rosa.



"Poema de Amor para Uso Tópico"

de Nuno Júdice in "Poesia Reunida"

 
O meu comentário???
Nada é incerto....
Ou é?
Não sei....
sei que não te esqueço....
Sei como te quero...
Ás vezes, não o sei dizer...
Hesito na escolha das palavras
e procuro as dos outros...
Mas estas são minhas...
Não as esqueças....
não as lembres...
Veste-as.....

7 comentários:

DE-PROPOSITO disse...

Quero-te,
------
É bom querer. Mas o 'querer' tem de ter retorno.
--------
Que a felicidade ande por aí.
Beijinhos
Manuel

tecas disse...

Se o poema do Nuno Júdice tem a beleza das plavras bem escritas, a sua réplica, querida Marta, é de cinco estrelas...nesse querer!!!
Bjito e uma flor.

Evanir disse...

Querida Amiga.
Me perdoe a demora em visita-la
eu queria ser perfeita para fazer a
felicidade de todas minhas amizades,
pois só assim me sentia muito feliz.
Amo a cada um da mesma forma peço a
Deus para viver minha vitória que
certamente Deus tem preparada para mim.
Uma linda tarde.
Bejs carinhosos.
Evanir

Sofá Amarelo disse...

Há um querer escondido, segredeado por entre o preto e branco dos fundos dos rostos e das mãos, que são cansaços...

Anita de Castro disse...

Lembranças escondidas a traz do tempo
Um beijinho

Maria selma disse...

Lindo poema,
lindo final de semana amiga
beijos de primavera

Paixão Lima disse...

O vestido transparente das palavras nuas...
Um querer devastador da razão...
Um pecado que não desejamos remir...