quinta-feira, novembro 13, 2014

GRITOS E LAMENTOS



Acordo com a chuva...
Essa chuva miudinha e insistente
que arrasta as gaivotas até terra...
Ouço-as...
Num grito,
num lamento
que magoa a alma...
A minha alma...



IMAGEM DE AUTOR DESCONHECIDO

7 comentários:

Sofá Amarelo disse...

O poema perfeito para um dia em que a chuva cai insistente, arrastando não só gaivotas como lamentos e almas magoadas... o poema perfeito para os dias imperfeitos!

Ailime disse...

Boa tarde Marta,
Magnifico poema!
As gaivotas que no seu pio "magoam a alma", mas que prenunciam dias repletos de bonança!
Desejo-lhe uma noite tranquila!
Beijinhos,
Ailime

Pérola disse...

Que acordar tão sensível e de acordo com este tempo que persiste.

Poesia que se derrama.

Beijinhos

Nilson Barcelli disse...

Gaivotas em terra, tempestade no mar... e talvez na nossa alma...
Belo poema, gostei.
Tem um bom fim de semana, querida amiga Marta.
Beijo.

Daniel C.da Silva (Lobinho) disse...

Muito, muito bonito...
Ia dizer plácido, mas é algo mais que isso. E toca.

Um beijo amigo

Graça Pires disse...

Muito belo, o poema Marta.
Às vezes, o outono lembra-nos a solidão do futuro...
Um beijo.

Agostinho disse...

Por que lamento
acordo este tempo
que me dissolve a alma?
Pequeno mas capaz
de mover asas de gaivota.

Com muito sentimento, Marta.