domingo, janeiro 04, 2015

DESERTA



Estou deserta...
Estou só com o mar
num abraço completo
Num beijo de espuma
Por entre o espaço
e a memória dos dias
em que tudo se define...



FOTO DE JOSÉ ALEX GANDUM

5 comentários:

Daniel Costa disse...

Marta
Deserta, pode sempre servir de inspiração para um belo poema, como por certo te serviu a imagem da praia.
Beijos

Nilson Barcelli disse...

Às vezes sabe bem estar assim.
Belo poema, gostei.
BOM ANO, querida amiga Marta.
Beijo.

Daniel C.da Silva (Lobinho) disse...

O poema está belíssimo, Marta! Seja esse silêncio a paz do poema e não da solidão...

Um bom dia de reis, e claro, um belíssimo 2015!

Beijo amigo

Sofá Amarelo disse...

É no horizonte do mar e nas linhas de espuma que melhor se define o espaço da memória onde os dias se desfiam num abraço e num beijo indefinido...

Agostinho disse...

Deserta de desejar,
deserta de livre.
Em qual dos sentidos faz sentido?

Desejar é sentir-nos vivos
Estar livre é ser capaz de subir
ao Everest!
Faz muito sentido.