quinta-feira, setembro 24, 2015

DISFARÇADAMENTE




Esta noite,
diz que sou perfeita...

Declara-te à minha pele...
Ouve-a roçar-se em ti,
lendo-te...

Disfarçadamente...

Para depois...
Ser tua por completo...
Nesse poema que dizes ser...

Perfeito...



Tela de Pier Taffoletti

5 comentários:

Jaime Portela disse...

Agora já percebo porque dizem haver poemas perfeitos...
O teu poema não será perfeito, mas é excelente. Gostei imenso.
MInha amiga Marta, tenha um bom resto de semana.
Abraço.

Graça Pires disse...

Um poema de amor que "disfarçadamente" nos traz um enredo em que é perfeita a luz macia das palavras...
Muito belo, Marta.
Um beijo.

Sofá Amarelo disse...

O poema da cumplicidade completa é sempre... perfeito!

© Piedade Araújo Sol disse...

a perfeição pode existir (em nosso pensamento)
gostei!
beijo
:)

Agostinho disse...

Bonito; Marta!

Do imperfeito ao perfeito
num gesto se faz o poema
e é na distância do sopro
suão da vogal arredondada
que a transmutação acontece
num beijo na pele nua