domingo, abril 16, 2017

GUERRA



Hoje…
Volto a tropeçar nas palavras…
Declaro-lhes guerra
Ignoro os verbos
e desconfio dos advérbios…
Minto-lhes... Esmago-as…
Nego-lhes a forma e o sentido
Até as ouvir gritar com a minha voz...




DE CYRIL ROLANDO

7 comentários:

Ailime disse...

Magnífico poema, Marta!
Tenha um feliz Domingo de Páscoa.
Beijinhos,
Ailime

Sofá Amarelo disse...

As palavras são muitas vezes aquilo que resta à voz, por isso é pela voz que elas ganham forma e sentido...

Graça Pires disse...

Às vezes é preciso voltar ao silêncio articulado em todas as contradições. Conheço essa "guerra" com as palavras...
Uma boa semana, Marta.
Um beijo.

mム尺goん disse...

e assim vais tecendo o devir....


abç

Luiza Maciel Nogueira disse...

São guerras dentro de palavras íntimas.

Beijo

© Piedade Araújo Sol disse...

palavras em guerra
e em contramão
e assim se faz poema

beijinhos

:)

Agostinho disse...

Palavras
fechadas
couraçadas
armadas
em frígida negação

Gostei.

Bj