quinta-feira, novembro 02, 2006

TRAVO AMARGO

E, então a noite caiu, para que não se falasse
do cair da noite. A noite caiu tão fria como as
últimas noiteS que cairam, neste princípio de Inverno e
ninguém pôs um colchão por baixo dela para que a
noite não se magoasse, ao cair
Noite e Dia - de Nuno Júdice - As coisas mais simples
O meu comentário??
Porque é que não nos lembramos dos outros...
Do sofrimento, da dor que atravessa a noite dos outros...
Porque é que só pensamos que não nos diz respeito....
Egoísmo nosso,
porque aquilo que acontece aos outros,
um dia também nos acontecerá...
Eu sei....
Aconteceu-me e
ainda hoje sinto o travo amargo da culpa e do remorso.......

4 comentários:

Alexandre disse...

A noite é a verdade! A noite é o ponto de encontro das dúvidas, das incertezas, das fragilidades, tudo se revela à noite... porque a claridade do dia encandeia os pensamentos e os sentimentos, à noite é tudo mais real!

motormotor disse...

Não te culpes. Somos simples humanos....

Isabel disse...

Deixa a culpa que para nada serva... no que erraste muda compensa mas culpares-te nunca... não serve para nada é apenas tormenta... pareces uma pessoa bonita demais para te atormentares.
ViVe! Vive apenas... sem culpas...
Adorei passear por aqui.


Beijinhos.


Isabel

Jofre Alves disse...

Faço a ronda, não por imperativos menos concebíveis, mas porque este blogue é duma estética irrepreensível, comprometido com a beleza da vida, a merecer mais e constantes visitas, porque aqui respira-se serenidade, e sinto-me, dum modo agradável, satisfeito, porque a excelência não tem preço, simplesmente, apreço. Bom fim-de-semana.