sexta-feira, novembro 30, 2007

PRESENTES

Tu eras também uma pequena folha
que tremia no meu peito.
O vento da vida pôs-te ali.
Ao princípio, não te vi; não soube
que ias comigo,
até que as tuas raízes
atravessaram o meu peito,
se uniram aos fios do meu sangue,
falaram pela minha boca,
floresceram comigo.
Pablo Neruda
O meu comentário??
E não é o Amor assim???
Conquista-nos lentamente, testa os nossos limites...
Torna-se nosso cúmplice...
imprescendível...
Parte de nós e morre connosco....
Ou não....
Pode ser apenas uma ilusão, uma utopia...
Talvez porque não se abre o peito...
Não se abraça o mundo...
Eu abraço o mundo e às vezes,
recebo presentes inesperados..............

4 comentários:

Bichodeconta disse...

Lindo, sentido..Parabéns..um abraço, ell

Vladimir disse...

o incotorn�vel Pablo Nerudo, adoro a sua poesia....

�Da� que hoje, enquanto tomava caf� no pa�s real, tenha ouvido, na mesa do lado, a seguinte frase lapidar: �este ano n�o h� prendas para ningu�m�.�

Lumife disse...

Neruda um poeta dos meus favoritos.

Se puderes passa pelo "Beja". As crianças agradecem.


Bom fim de semana


beijos

http://paixoeseencantos.blogs.sapo.pt disse...

abraça o mundo,abraça a vida ,abraça o amor e que sejas feliz
eu mandei um email para ti leste ?
bjo
carla granja