domingo, março 30, 2008

MISTÉRIOS

E contudo perdendo-te encontraste.

E nem deuses nem monstros nem tiranos

te puderam deter. A mim os oceanos.

E foste. E aproximaste.



Antes de ti o mar era mistério.

Tu mostraste que o mar era só mar.

Maior do que qualquer império

foi a aventura de partir e de chegar.



Mas já no mar quem fomos é estrangeiro

e já em Portugal estrangeiros somos.

Se em cada um de nós há ainda um marinheiro

vamos achar em Portugal quem nunca fomos.



De Calicute até Lisboa sobre o sal e o Tempo.

Porque é tempo de voltar

e de voltando achar em Portugal

esse país que se perdeu de mar em mar.



Manuel Alegre

O meu comentário???
Nada é um mistério....
Talvez se pense que sim...
Os mistérios são como o mar...
Aventuras, desafios....
Ao que está escondido em nós....
Nada se perde....a não ser que sejamos nós...
Que desistimos....
de nós próprios...dos outros...
E tornamo-nos verdadeiramente estrangeiros.................

5 comentários:

Bichinho disse...

...Manuel Alegre...
Beijo fantasma.

velaaovento disse...

Vou contrariar.
Sinto a vida como um mistério... cada dia uma revelação. Tal como o ser humano... vamo-nos descobrindo.
Beijos

MalucaResponsavel disse...

lindo. nós q ja percorremos mar, q foi todo nosso, dobrámos cabos, passámos tormentas, mas perdemo-nos algures no caminho e ja n temos identidade... é isto q o poema me fez pensar. bj

Sol da meia noite disse...

Gosto de Manuel Alegre.
Amo o mistério que é a vida. Cada amanhecer, sinto-o como o levantar do véu que revela os mistérios que a noite preparou...

Beijos

Um Momento disse...

Hum... Mistérios...
Eu acho que há tantos... mas quando desvendados ...sim deixam de o ser
Manuel Alegre... ás vezes gosto de o ler:)))))))

Beijo de dia lindo!

(*)