domingo, agosto 24, 2008

COMO PESSOAS


A meu favor


Tenho o verde secreto dos teus olhos

Algumas palavras de ódio

algumas palavras de amor

O tapete que vai partir para o infinito

Esta noite ou uma noite qualquer


A meu favor

As paredes que insultam devagar

Certo refúgio acima do murmúrio

Que da vida corrente teime em vir

O barco escondido pela folhagem

O jardim onde a aventura recomeça.


Alexandre O'Neill


O meu comentário???


A aventura será perder-se.........


Nesse barco que parte sem destino...


Discretamente....


Apenas o coração e o olhar são visíveis....


Nesses murmúrios de amor....


Em que o vento sopra sempre a nosso favor....


Porque amar é sempre um recomeço...


De nós... como pessoas....

5 comentários:

Só Eu disse...

Olá Marta.
Então as férias? Espero que estejam em grande.
Alexandre O'Neill não é um poeta fácil mas, às tuas mãos, até parece.
Tens esse dom de, ao comentar os poemas, dar uma visão para além do poema.
Beijinhos (e os da praia?)

Sol da meia noite disse...

Temos em nós os lugares por onde passamos, as palavras que ouvimos, os olhares que nos olharam...
Porque temos em nós um tempo já vivido.

Beijinho *
:-)

f@ disse...

Tapete voador esse para o infinito... com os olhos do coração a colorir os sentidos
beijinhos das nuvens

Catarina disse...

Olá Marta!
Andei ausente... o sol chamou-me e eu fui assim simplesmente...
O meu comentário?
Na minha aventura perdi-me
Porque amar é passar a vida á procura de ser feliz.
Começar de novo? sempre...
Porque a mudança é uma constante em nós e nos outros.

O poema é lindo o teu comentário diz tudo...

beijo

Lyra disse...

Perdermo-nos é tão bom!!!
Não achas?

Beijinhos e até breve.

;O)