quarta-feira, março 04, 2009

FRIAMENTE

LÁGRIMAS DO MEU SORRISO


Ouvi somente o choro do meu sorriso

e a calidez das lágrimas repentinas

quando, sem qualquer resquício

de hesitação, cabeça erguida, olhar firme,

dizeste não, apenas essa fria palavra.

Nem quiseste assistir à melancolia

espalhada no meu rosto entristecido,

ficaste indiferente até mesmo à sombra

de dor pairando sobre meu coração,

e me viraste as costas com altivez

sem se importar em recolher os pedaços

de mim que já se fragmentavam

voando ao suave langor da brisa.

E te foste como vai o vento vazio

dobrando a esquina e se perdendo

na imensidão desconhecida do tempo.


Gilbamar de Oliveira Bezerra do blog "Gilbamar - Poesias e Crónicas"


O meu comentário???


O tempo perde-se em nós....

Aqueles segundos que ficam gravados em nós...

Eternamente...


Está-se sempre com frio....

Mas não nos aproximamos do Sol..

Não queremos que nos vejam as lágrimas...


Sentimo-nos ignoradas, desprezadas...

Nada nos ocupa o tempo...

Nem o que antes nos dava prazer....


Pensa-se sempre....

Onde estás, o que fazes e porque partiste....

Nas desculpas esfarrapadas que damos para o explicar...

Nunca esqueceremos o "Não" dito tão friamente...

6 comentários:

Secreta disse...

Há coisas que nos marcam para todo o sempre, inevitavelmente.

entremares disse...

Porque fugimos do sol ?
Porque desejamos a luz e a rejeitamos... com medo que nos queime ?

Por vezes, recusamo-nos a ver... com medo que a beleza nos cegue...

BC disse...

É fácil voltar as costas, o que é difícil é olhar olhos nos olhos!!!
Beijo
Isabel

Gilbamar disse...

Minha amiga Marta, estou deveras envaidecido por você ter escolhido um poema meu para publicar no seu prestigiado blog e comentar com a inteligencia de sua criatividade. Ficou tão bom o comentário que parece fazer parte da poesia.

Quando desejar, meus poemas e sonetos estarão à sua disposição para essa parceria literária maravilhosa.

Grande abraço fraterno do amigo Gilbamar.

Graça Pires disse...

Um poema muito belo, embora triste seguido de outro poema de ausência e desamor. Gostei muito.
Um beijo e um bom dia da Mulher.

BC disse...

Que dia da mulher sejam todos os dias.
Beijo
Isabel