sábado, maio 23, 2009

AUTO-ESTIMA

As palavras
As palavras são poderosas.
Mas o silêncio vale ouro.
Elas podem ser preciosas,
Ele é o verdadeiro tesouro.
Mal usadas causam dano,
Como relâmpago ligeiro,
Atingindo o alvo visado,
Rápido, sem dó e certeiro.
Mas elas não são culpadas,
Do que lhe fazemos dizer
Elas devolvem desajeitadas,
O reflexo do nosso ser.
Prefiro o som do silêncio
E as palavras por escrever.
Somos os guardiões do templo,
Desta obra por fazer.
de Edite Correia Puippe (Livro "II Antologia de Poetas Lusófonos")
O meu comentário???
Ás vezes, penso que odeio o silêncio
e procuro o barulho intenso..
Defendo-o, no entanto, não como uma guardiã
Como uma princesa guerreira
Quando me sinto desajeitada, fatigada..
Quando nada me obedece....
Nem mesmo o corpo..
A alma parece que desistiu de mim...
E, para não magoar a alma, o corpo, ou mesmo as palavras,
fico nesse silêncio...
Uma tempestade de desespero, fúria e pouca auto-estima...
Hoje, para mim, é um dia de Chuva
Um dia assolado por essa tempestade............

5 comentários:

Je Vois la Vie en Vert disse...

Neste momento, às vezes preciso de ouvir pessoas e falar mas há outras em que preciso imenso do silêncio e fechar-me no meu casulo.
O ser humano é muito complexo,não é ?

Beijinhos, querida Marta

Verdinha

entremares disse...

Um poeta disse:

" As palavras também são feitas de silêncios " e não podia estar mais de acordo.

Os silêncios são isso mesmo...

Boa semana...

Graça Pires disse...

Acho inúteis as palavras quando o silêncio é maior. Assim cantava Amália...
Um beijo.

O Profeta disse...

Quero ser barco que foge ao farol
Quero que o vento dance nos brandais
Quero ser viagem de rumo incerto
Quero ser a descoberta na procura do mais

Da próxima vez
Quero ser estrela-do-mar
Um golfinho de chapéu de coco
Um búzio com o som do chamar


Uma boa semana


Mágico beijo

BC disse...

Ainda agora vim de um blog que falava precisamente do silêncio. Eu acho que os silêncios são precisos de vez em quando para fazermos as nossas introspecções e reflectir e parar.
Beijo