segunda-feira, maio 25, 2009

NUNCA VAZIOS

POESIA
Tecido
de esparsas
tramas vazias
por que
perpassam
esguias
agulhas sentidos
bordando a multicor
figura e compreensão,
que paira plena
mais que agulha
que a linha
que a própria figura.....
Do tamanho da vida.
Jorge Henrique Vieira Santos (Livro "II Antologia de Poetas Lusófonos)
O meu comentário???
Na própria vida
escreve-se um poema..
Pequeno ou longo...
Sentimentos devem ter voz
As cores, as sensações,
o vento e o sol também...
Eu???
Esta é a minha voz, o meu sorriso...
As minhas palavras....
Quando falo dos poemas dos outros..
Ou quando sinto os meus próprios poemas...
Para mim, eles nunca serão vazios....

6 comentários:

AnaMar (pseudónimo) disse...

Hoje estou vazia.
Vim aqui preencher-me um pouco...

Bj

Lumife disse...

Uma visita especial para deixar os votos de muitas Felicidades. Aproveita bem o dia, vive alegremente este dia. Parabéns !

Beijos

Graça Pires disse...

A voz. O riso. As palavras. Dos teus poemas. Dos poemas dos outros. Belo, Marta. Um beijo.

BlueShell disse...

e é lindo o teu sorriso, belas as tuas palavras, sim, as tuas...porque são francas, sinceras e cristalino o teu sorrir.

Obrigada!

BlueShell...num Domingo de muito sol e algumaslágrimas....

Poeta Jorge Henrique disse...

Querida,

Tuas palavras,
agulhas sentido,
perpassam os vazios
das tramas das minhas
e os preenche,
bordando tua vida,
no poema.

Esta paira plena!

Obrigado pelas palavras dedicadas ao meu poema.

Um forte abraço.

Poeta Jorge Henrique disse...

Minha querida, é bom que o poema tenha a sua própria vida e siga seu próprio destino. Deixe-o permanecer em seu blog. Gosto de vê-lo em tão boa compainha.

Um forte abraço.