quarta-feira, setembro 08, 2010

EXILADOS

O mundo diz-te alegre porque o riso
Desabrocha em tua boca, docemente
Como uma flor de luz! Meigo sorriso
Que na tua boca poisa alegremente!

Chama-te o mundo alegre, Ai, meu amor
Só eu inda li bem nessa alegria!...
Também parece alegre a triste cor
Do sol, à tarde, ao despedir-se do dia!...

És triste; eu sei. Toda suavidade
Tão roxa, como é roxa uma saudade
É a tua alma, amor, cheia de mágoa.

Eu sei que és triste, sei. O meu olhar
Descobriu o segredo, que a cantar
Repoisa nos teus olhos rasos d'água!...

Florbela Espanca in "Trocando Olhares"

O meu comentário???
Não sei a cor da minha alma hoje...
Não a sinto hoje....
fez voto do silêncio..
O Mundo está indiferente;
continua impetuoso...
Exila-nos,
nós porque estamos cheios de mágoa...
Sofremos com essa alegria que
nos pedem para partilhar.
Porque não é verdadeira;
não vem de dentro....
Até ao dia se apercebe disso e foge....
Ficamos sós, na noite,
à espera do que tarda...
Ou porque não existe
ou não sabemos procurar....

3 comentários:

Graça Pires disse...

A alegria e a mágoa pautando os doi poemas: o teu e o da Florbela. Muito bom.

Lou Albergaria disse...

Seus versos são sempre uma grande inspiração pra mim. Sempre carregados de amor e sabedoria.

Sempre admiro suas participações no DIÁLOGOS POÉTICOS! Você é uma grande poeta que eu respeito e admiro muito!

Tenha um lindo domingo!!!

BEIJÃO!!!

Daniel Costa disse...

Marta

Se não estivesse explicito e não se conhecesse o modo como escreveu, Florbela Espanca, aqui dir-se-ia um só poema da emérita poetisa. Quer isto dizer que achei muito boa a inspiração. Simplesmente, achei muito bem conseguida a tua réplica.
É natural, embora achando que sempre bem, goste mais de algumas.
Beijos