quarta-feira, agosto 24, 2011

INTRUSA

Bastava-nos amar. E não bastava

Bastava-nos amar. E não bastava

o mar. E o corpo? O corpo que se enleia?

O vento como um barco: a navegar.

Pelo mar. Por um rio ou uma veia.

Bastava-nos ficar. E não bastava

o mar a querer doer em cada ideia.

Já não bastava olhar. Urgente: amar.

E ficar. E fazermos uma teia.

Respirar. Respirar. Até que o mar

pudesse ser amor em maré cheia.

E bastava. Bastava respirar

a tua pele molhada de sereia.

Bastava, sim, encher o peito de ar.

Fazer amor contigo sobre a areia.

De Joaquim Pessoa
 
O meu comentário???
E esquecer tudo....
Porque nos esquecemos de tudo....
Na areia
em que o nosso corpo fica esculpido...
Antes da maré cheia,
antes da Lua aparecer nua
e incidir sobre os nossos corpos....
E nos unir ainda mais......
Porque, hoje, é uma intrusa....
A praia é nossa...
 

4 comentários:

Evanir disse...

Chorar é como lavar a alma, pode ocorrer por vários motivos,
quando se é do coração é pura e verdadeira.
É bom quando algo ou alguém nos prende a atenção por segundos como a lua,
é um ser que encanta.
Gostei, o amor é: "Amor é carinho, é ternura, é ação...
É sentimento que vira canção."
Deus é a mais pura essência do amor,
cabe a nós aprender com Ele a amar de verdade.
Bjs, abençoado dia,,muita paz na sua vida.
A mensagem de hoje é de um amigo que deixou no meu blog.
Por ser linda e verdadeira
sem poder digitar por muito tempo.
Razão da minha cola só não sei é viver sem você.
Com carinho,Evanir.
Lindo poema realmente a areia do mar é algo que fascina.

Paixão Lima disse...

Poema lindíssimo de J.P. e que acaba muito bem... a fazer amor sobre a areia... O seu comentário é interessante e as referências à lua (à lua nua...) são expressões românticas muito belas. A lua protege os amantes sob o seu manto diáfano de noiva.
Amo a lua quanto detesto a maré cheia. Porque gosto de construir castelos na areia...

Lídia Borges disse...

Conversas ao luar com cheiro a maresia.

Um beijo

Álvaro Lins disse...

Palavras para quê?!:)
Abraço