sexta-feira, junho 08, 2012

DISSO


Hoje
não vou escrever para ti
Sobre ti, sobre mim
Ou memórias intemporais
Hoje
vou gozar apenas o momento
Sentir o mundo
Não como é,
mas como eu o vejo
Uma ilusão, uma utopia
Eu sei,
estou consciente disso
Como sei das rugas do meu rosto
e do meu cabelo branco
Mas hoje o mundo não sabe disso...


DO ÁLBUM DE JOÃO MATEUS “WE ARE THE WORLD”

9 comentários:

Sofá Amarelo disse...

As rugas e os cabelos brancos são meros pormenores do foro psicológico, pois nas memórias intemporais o tempo é apenas uma utopia, onde o mundo transforma momentos em ilusões mas no fim é a alma que decide sobre o que quer escrever!

CamilaSB disse...

Olá, amiga... a alma não tem rugas nem cabelos brancos e a sua beleza é intemporal, porque ela é feita de sentimentos lindos como os que sinto aqui! Um beijinho com carinho e amizade! BFS

Nilson Barcelli disse...

O mundo que vemos é sempre diferente do dos outros...
Magnífico poema, gostei imenso.
Marta, querida amiga, tem um bom fim de semana.
Beijo.

Álvaro Lins disse...

Excelente, mesmo com cabelos brancos(ou por isso):)!
Bjo

O Profeta disse...

Convido-te a conhecer um Homem de papel
Convido-te a olhá-lo num espelho de água

Bom fim de semana

Mágico beijo

Mary disse...

Que lindo, e que importa as cores? foi vida.
Bom domingo
beijos

CamilaSB disse...

Olá, Marta... é só para lhe agradecer o carinho e desejar uma boa semana, cheia de sonhos lindos! Beijinho com amizade!

oteudoceolhar disse...

...e o que sabe o mundo de nós?
Do nós, em nós?
Revi-me nas tuas palavras...absolutamente Belo, mesmo com uma "madeixa" de cabelo branco a cair docemente pelo rosto...

Beijo n´oteudoceolhar.

Emília Pinto e Hermínia Lopes disse...

Oi Marta!
Quem não fechou os olhos e voou?
Até breve
Herminia