sexta-feira, maio 17, 2013

VAIDOSA


TELA DE BOUGUEREAU



Esta noite
 
deixo as palavras entregues ao tempo...
 
 
Deixo-as sem memórias...Sem encantos....
 


Não explico a ausência....Não falo do medo e da desilusão...


Porque esta noite não sou vaidosa...

5 comentários:

Ailime disse...

Olá Marta, por vezes há uma necessidade imensa de deixar que as palavras se soltem. Belíssimo poema. Um beijinho Ailime

manuel marques Arroz disse...

A vaidade é sempre sincera.

Beijo e bom fim de semana.

Nilson Barcelli disse...

A vaidade e o pecado nem sempre andam de mãos dadas...
Querida amiga Marta, tem um bom fim de semana.
Beijo.

Sofá Amarelo disse...

A melhor maneira de lidar com as palavras é mesmo entregá-las ao vento... pois o vento sábio se encarregará de explicar as ausências, os medos e as desilusões... quando a memória não é vaidosa...

Michelle Trindade disse...

Palavras entregues ao tempo formam frases bem mais consistentes das que são jogadas no ar com imensa rapidez...