quarta-feira, maio 21, 2014

TUDO



Continuo sem saber
como escrever uma carta de amor
A ti,
por quem me apaixonei um dia
A quem pensei ter dito tudo
Pelo olhar, pelo gesto, pelo toque
Vejo agora que faltaram as palavras
A provocação, a sedução
E soube então que não te amei
loucamente...


IMAGEM DE GLEB GOLOUBETSKI

8 comentários:

Agostinho disse...

As cartas são um impulso do agora, efemerizadas pela velocidade da luz que nos transporta. É por isso que poemas destes são cartas que a cada dia são o pão nosso que alimenta a chama.

© Piedade Araújo Sol disse...

as cartas por vezes ficam por escrever.

mas, há cartas que ainda se deviam escrever.

:)

Sofá Amarelo disse...

Nunca é tarde para provocar, seduzir, olhar, tocar ou escrever uma carta de amor... e na falta das palavras ficam os gestos...

Daniel C.da Silva (Lobinho) disse...

Hum... muito interessante!
poema desafiador...

José María Souza Costa disse...

Olá.

Para você, os meus sentimentos de carinho.
Meus desejos de um tempo de harmonia e contentamentos.
Abraços.

Maria Emilia Moreira disse...

As cartas de amor deixam muito por dizer nas entrelinhas e é nisso que reside o seu encanto...
Um belo poema-declaração de amor. Abraços.

Pérola disse...

Então não foi paixão da pura.
Só a loucura é própria dos apaixonados.

Beijinhos


Ailime disse...

Boa tarde Marta, estive a ler os seus últimos poemas e como sempre achei-os de uma beleza singular!
Só quem ama verdadeiramente pode afirmar como neste "tudo" que nunca amou! É que os grandes poetas como a Marta cantam o amor de uma forma sublime que só o seu coração alcança! Um beijinho. Ailime