quarta-feira, março 11, 2015

PORTA DO TEMPO



Procuro-te
No sopro do Vento
Na amargura da Chuva...


Mas não sei porque te procuro...


Sei apenas que preciso
de te ver,
de te sentir...


E depois...
Fechar a porta do tempo...





Tela “Empty” de Audrey Kawasaki



6 comentários:

Carmem Grinheiro disse...

Olá Marta,
há sentimentos assim, que nos impelem à procura, nem que seja somente para saber se tudo está minimamente bem, para descansarmos o coração.
bj amg

Graça Pires disse...

Procurar o Amor. E saber que ao encontrá-lo é como se o tempo parasse...
Lindo, Marta.
Um beijo.

Daniel Costa disse...

Poemas a parecerem muito formais, porém sente-se virem da alma.

© Piedade Araújo Sol disse...

a procura incessante do amor...

:)

Agostinho disse...

O que verdadeiramente importa...
E como se ferrolha a porta?

Sofá Amarelo disse...

A porta do tempo é a porta mais difícil de fechar pois ela fica semi-aberta na amargura da chuva e no sopro do vento...