domingo, maio 31, 2015

A LOUCURA



Não sei se o amor é cego....
Ou se fui eu quem não quis ver...
Nas palavras, nos gestos...
O egoísmo, a loucura, a maldade...
Talvez seja por isso que hoje,
as palavras estejam sombrias
e não rimem...
Ou talvez eu esteja finalmente a ver
e não saiba, ainda, como dizê-lo...


UMA BRISA DE SUSSURROS” DE EVELINA OLIVEIRA

4 comentários:

Sofá Amarelo disse...

"O amor é cego e vê não sei porquê", diz a canção, e não há antídoto ou solução para isso, nem nas palavras, nem nos gestos, muito menos nas rimas...

Emília Pinto disse...

Diz-se sempre que o amor é cego, mas penso que cegos somos nós. Muitas vezes não queremos ver, apesar das evidências. Isso dá-se em relação ao amor e também em relação à amizade. Quantas vezes somos enganados, decepcionados apesar de tantos indícios de que determinada pessoa não era nossa amiga?Parece que o nosso Eu não quer enxergar os factos e lá vai andando feito cego até que os acontecimentos se avolumam e finalmente é obrigado a aceitar o que há muito era evidente. É assim, amiga!!! beijinhos e até breve.
Emília

© Piedade Araújo Sol disse...

o amor é cego, e por vezes nõ queremos ver o que está mesmo em frente de nossos olhos...

beijo

:)

Agostinho disse...

Não sei:
Diz-se disso assim
mais tentativa que isso
mais esquisso de maldade
abuso da palavra
e rima com verdade!...