terça-feira, outubro 03, 2017

ESSE MOMENTO


Que os Deuses me perdoem
Se não sucumbir ao feitiço da Lua
e vadiar pela música de Bach…


Talvez…
Consiga despir-me dessa mágoa
que me atordoa
os pensamentos…


Ou talvez…
Seja apenas esse momento
e tudo regresse na última nota…


Não sei… nem quero saber…
Pois neste momento,
quero apenas sentir-me viva...



THE SMELL OF CHILDHOOD DILMA DMITRIEV

6 comentários:

© Piedade Araújo Sol disse...

e sentir a vida
já é tanto....

mesclas de nostalgia e esperança

beijinhos

:)

Sofá Amarelo disse...

E a Lua está agora altaneira, quase Cheia, a insinuar-se se calhar numa música de Bach, num momento de feitiço como só ela sabe transmitir através de pensamentos que fazem despir mágoas e vestir Vida...

Franziska disse...

Não sei… nem quero saber…
Pois neste momento,
quero apenas sentir-me viva...

Todo queda plasmado en estos tres versos que son un interrogante y a la vez un deseo, sentirse viva esa es la cuestión: todo lo demás no es importante. Me encantó el poema. Un abrazo. Franziska

Jaime Portela disse...

E sentirmo-nos vivos é essencial.
Um poema magnífico, na forma e no conteúdo.
Bom resto de semana, querida amiga Marta.
Beijo.

Emília Pinto disse...

E é o que realmente o que impprta, este momento, este preciso instante; estamos e sentimo-nos vivos, mas daqui a um segundo talvez já tudo seja diferente. Um beijinho, amiga e um bom fim de semana.
Emilia

Ailime disse...

Tão belo este poema, Marta!
E sentir a vida é deixar que a musica nos embriague.
Beijinhos,
Ailime