domingo, janeiro 09, 2005

PERDIDA NA NÉVOA

Agora que tudo passou, ao olhar para trás, vejo que afinal não gostei tanto de ti como pensei.
Foste arrogante, vingativo e quando não cedi às tuas exigências, deixaste-me sozinha!

Foi um verdadeiro inferno; tive a impressão de que andava sobre brasas, de que a minha pele era papel e bastava um pequeno toque para que ficasse pisada, cheia de pequenas fissuras.

Muitas dessas fissuras abriram e a dor do desconhecido, pois eu caminhava à toa, fez com que desejasse isolar-me, esconder-me de um mundo que me tratava como se fosse um bicho fedorento.

Sinto –me “uma criança doida e crente” tal como a Florbela Espanca descreve no seu poema “Torre de Névoa”.

Às vezes, estamos mesmo perdidos na névoa e só vemos onde é que realmente estamos quando esta se dissipa!

1 comentário:

lique disse...

Marta, ser capaz de sair da névoa e olhar o sol é que conta! Mesmo que nos fira a vista, assim às primeiras impressões. Boa sorte aqui com o novo espaço e um beijo.