quinta-feira, maio 22, 2008

PODE SER

Breve o dia, breve o ano, breve tudo.

Não tarda nada sermos.

Isto, pensado, me de a mente absorve

Todos mais pensamentos.

O mesmo breve ser da mágoa pesa-me,

Que, inda que mágoa, é vida.

Breve o dia de RICARDO REIS


O meu comentário???

Fácil de responder....

A verdade....

Tanto desalento....tanta tristeza....

Na palavra "breve"..........

Um certo tom de pesar...........

Uma fragilidade oculta............

O dia impõe o ritmo...acelera o tempo.....

Esse breve tempo........pode ser de alegria..........

5 comentários:

Alexandre disse...

O tempo é sempre breve, especialmente o tempo de alegria porque há algo que nos faz parecer que o tempo corre mais célere quando estamos alegres, é como quando ouvimos uma boa anedota e nos rimos - ao rirmos inibimos a memória por isso é que dizemos que não nos lembramos da anedota que nos contaram! Com a alegria e a felicidade acontece um pouco o mesmo!

Muitos beijinhos!!!

João Videira Santos disse...

Breve é o tempo que afaga a nostalgia guardando no pensamento as lembranças de ontem...

Edson Marques disse...

Mude,
mas comece devagar,
porque a direção é mais importante que a velocidade.
(...)
Agradeço pela publicação do meu poema MUDE aqui no blog, em fev/2008.

Pena que você disse ser "de Clarice Lispector". Não é. Mas também não é culpa tua: muita gente pensa que é da Clarice...

Detalhes em http://mude.blogspot.com

O livro "Mude" acaba de ser lançado pela Pandabooks, com prefácio de Antonio Abujamra - e está à venda nas grandes livrarias.

Se puder, veja também o vídeo Mude.

Quando possível, favor corrigir a autoria.

Abraços, flores, estrelas...

Nilson Barcelli disse...

Tudo o que é bom é breve.
Demoradas são as coisas más da vida.
Não concordo com o poeta quando diz que a mágoa também é breve. Mas quem sou eu...
Concordo mais com a tua versão... por incrível que pareça...

Beijinhos.

Edson Marques disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.