domingo, outubro 12, 2008

LOUCA ENTÃO

Carpe diem

Confias no incerto amanhã? Entregas
às sombras do acaso a resposta inadiável?
Aceitas que a diurna inquietação da alma
substitua o riso claro de um corpo
que te exige o prazer? Fogem-te, por entre os dedos,
os instantes; e nos lábios dessa que amaste
morre um fim de frase, deixando a dúvida
definitiva. Um nome inútil persegue a tua memória,
para que o roubes ao sono dos sentidos. Porém,
nenhum rosto lhe dá a forma que desejarias;
e abraças a própria figura do vazio. Então,
por que esperas para sair ao encontro da vida,
do sopro quente da primavera, das margens
visíveis do humano? "Não", dizes, "nada me obrigará
à renúncia de mim próprio --- nem esse olhar
que me oferece o leito profundo da sua imagem!"
Louco, ignora que o destino, por vezes,
se confunde com a brevidade do verso.

Nuno Júdice




O meu comentário???


Sou louca, então....


Acredito sempre que é possível....


Não me conformar com a certeza....


Desistir com pena de não o ter conseguido....


Ficar irritada, magoada....


Amanhã.....


Voltar a desenhar as imagens que continuam guardadas no coração....


Continuar a ser louca....


Saudável.......................


6 comentários:

Sol da meia noite disse...

E não confiamos nós no incerto?
E não vivemos nós em permanente inquietação...?
Nem tudo é palpável... daí a motivação para partir à descoberta... aceitando o desafio que é a vida...

Beijinho *
:-)

Só Eu disse...

E eu gosto de ti por seres assim. É preciso sempre uma certa dose de loucura (saudável...)
Outra boa escolha e outro excelente comentário.
Beijinhos

daniel disse...

Laura

A um poema de saudável loucura, afiambras também uma dose, quanto baste, de loucura a comentar.
Beijos
Daniel

BC disse...

Olá Marta,
Como vais, eu de vez em quando tenho feito umas paragens, são precisas!!!
Beijinhos

GUILHERME PIÃO disse...

É isto ai, viver intensamente, enfiar a cara mesmo...
Abraços

vbm disse...

Um belo poema de Júdice!

Obrigado,
Vasco