segunda-feira, outubro 27, 2008

RAPIDAMENTE

Abri a casa às nuvens

mas quem se alojou nela

foi o vento...


Flor Campino (Livro "Pérolas de Vidro")



O meu comentário???



O vento varre tudo....



Lembranças de momentos felizes e infelizes...



Obriga-nos a olhar para o espelho....



Antes de o partir em mil pedaços....



Impossível...



Esquecer as imagens deturpadas.....



Dessa destruição.....



As nuvens continuam a voar....



O vento a entrar calmamente........



Numa nova casa....



............numa nova ideia...



.............num novo sonho....



Desta vez, com a janela sempre aberta para que o vento se escape...........



Rapidamente..................

6 comentários:

Sol da meia noite disse...

Tem momentos em que o vento tudo acalma...
Basta que o deixemos soprar em nós.

Beijinho *
:-)

O Profeta disse...

Este vento que sopra de oriente...


Doce beijo

f@ disse...

O mais veloz nem sempre vence...mas desta vez foi assim... e se foi para varrer e limpar o velho para repor o novo até as nuvens dão um empurãozinho ...
Beijinhos das nuvens

BC disse...

Também não acho o vento muito agradável, só para varrer as poeiras e as coisas velhas que nos incomodam.
O SOL, esse sim e até a chuva se torna agradável em certos dias quando estamos em casa, perto da lareira.
Beijo

Só Eu disse...

Confirma-se a impressão que Flor Campino me tinha deixado. Gosto do seu poder de sintese.
O teu comentário já não precisa de confirmação...
Beijinhos

daniel disse...

Marta

Com apenas três linhas, Flor Campino, inspirou-te um giro poema, para ti um pouco noltálgico, o que em poesia, só em poesia, fará sentido.
Bajos,
Daniel