sábado, agosto 01, 2009

DESTROÇOS

O Tempo Vive

O tempo vive, quando os homens, nele,
se esquecem de si mesmos,
ficando, embora, a contemplar o estreme
reduto de estar sendo.
O tempo vive a refrescar a sede
dos animais e do vento,
quando a estrutura estremece
a dura escuridão que, desde dentro,
irrompe. E fica com o uivo agreste
espantando o seu estrondo de silêncio.

Fernando Echevarría, in "Sobre os Mortos"

O meu comentário???
O tempo permanece..
Ás vezes, tão quieto que não o sentimos.
E de repente, deixa-nos na escuridão.
Numa vida muito solitária,
em que nada conta.
Porque o tempo tomou conta de tudo
e até da nossa memória, apagou a voz.
Não sei o que acontece quando passamos a fronteira.
Não sei o que deixamos para trás.
O tempo refrescou tudo,
abrindo a porta ao mar,
sepultando na areia destroços.

4 comentários:

RosanAzul disse...

Na profundeza dos sentidos a urgência necessária de viver...
Lindo e reflexivo o escrito!
Um abraço com desejo de boa semana!
RosanAzul.

a magia da noite disse...

o tempo é uma dança entre nós e o destino, por vezes comandamo-lo, outras vezes somos levados em seus braços.

Graça Pires disse...

O tempo toma mesmo conta de tudo. E passa tão depressa que quando damos por isso já não somos crianças, nem jovens...
Um beijo Marta.

FERNANDA & POEMAS disse...

QUERIDA MARTA, QUE BELO POEMA E SUBLIME COMENTÁRIO... ABRAÇOS DE CARINHO,
FERNANDINHA